ESPECIAIS

Valor da Terra Nua vira briga judicial no Paraná

Compartilhar

 

#souagro | O ITR (Imposto Territorial Rural) está no olho do furacão no Paraná e mais especificamente no oeste do Estado. Tudo porque produtores rurais e pecuaristas, por intermédio dos sindicatos rurais, recorreram ao Judiciário para impedir a supervalorização de terras nuas por parte dos municípios, o que estaria influenciando no índice do ITR cobrado do agronegócio pela Receita Federal. Quem afirma é o vice-presidente do Sindicato Rural de Palotina, Edmilson Zabotti. Em alguns casos, os sindicatos acionaram o departamento jurídico da FAEP (Federação da Agricultura do Estado do Paraná) para entrar com uma ação de improbidade, sob a alegação de falta de critérios técnicos para se chegar aos valores da terra nua encaminhados pelos municípios à Receita Federal.

No próximo dia 29 de abril, sexta-feira, expira o prazo para as prefeituras encaminharem para a Receita Federal a média do valor da terra nua cobrado nos respectivos municípios e que incidirá nos cálculos do ITR. “O Brasil é detentor da segunda maior carga tributária do mundo e o agronegócio, mola propulsora de desenvolvimento da nação, não pode ser usada pelas prefeituras como fonte de arrecadação por meio do recolhimento destes impostos abusivos”, dispara Zabotti.

 

 

O ITR é um imposto que tem como base de cálculo o valor da terra nua, ou seja, o valor da terra sem investimentos ou infraestrutura, como por exemplo conservação e tipos de solo, adequação, tratos culturais, distância da sede da propriedade, entre outros aportes. “O que acontece é que empresas de fora, contratadas pelas prefeituras, têm equiparado esses valores aos preços de terras comerciais, aumentando o imposto demasiadamente”, comenta Zabotti. O percentual é definido pela Receita Federal, com base nos valores das terras nuas repassados pelos municípios. É preciso levar em conta vários fatores para diagnosticar o valor da terra, como por exemplo a localização e tamanho da área.

Há alguns anos, conforme o vice-presidente do sindicato, o ITR era um valor insignificante. “Mas a partir do momento que essa arrecadação passou para os municípios, subiu consideravelmente, onerando ainda mais o setor produtivo do País”.

 

 

No mês de março, os sindicatos e as entidades ligadas ao agronegócio reúnem-se com as prefeituras com o propósito de definir o valor da terra nua. O cálculo da terra comercial também é feito, avaliando os investimentos feitos pelos produtores nas terras com a finalidade de transformá-la em produtiva. “A prefeitura faz um ofício direcionado à Receita Federal que por sua vez manda os informes de cada valor, de cada área. O produtor paga essa conta todos os anos”.

Conforme Zabotti, laudos são feitos por empresas de fora, como do Mato Grosso, contratadas pelas prefeituras com valores fora da realidade e condizentes com a área comercial e não terra nua. “Os prefeitos perceberam que se trata de uma grande fonte de arrecadação aos municípios e com respaldo dessas avaliações, passaram a supervalorizar os preços das terras”. Segundo ele, os únicos municípios da região oeste que está dialogando em busca de um valor justo são Cascavel e Palotina. “Em algumas cidades, está faltando bom senso e não tenho visto a Amop se manifestar sobre esse relevante assunto”, comenta Zabotti. “É uma atitude complicada e ao mesmo tempo covarde por parte dos prefeitos”.

 

O QUE DIZ A AMOP

Sobre isso, a equipe de reportagem do Portal Sou Agro manteve contato com a assessoria de imprensa da Amop (Associação dos Municípios do Oeste do Paraná), que prontamente retornou com uma posição do atual presidente da associação, o prefeito de Santa Tereza do Oeste, Elio Marciniak, o Kabelo.

O presidente da Amop utiliza como referência dados da CNM (Confederação Nacional dos Municípios). “O VTB represente hoje pouco mais de 1% do total da arrecadação do município. Atualmente, pouco mais de 20% das cidades brasileiras possuem convênio com a Receita Federal para tomar a frente na administração do tributo. A tendência é de que o fisco aumente essa porcentagem e reveja os Valores de Terra Nua tabelados nas cidades do país”, dia a nota da Amop.

 

 

Ainda conforme a resposta da Amop “não é uma decisão de prefeituras: os municípios cumprem a lei e entendem as dificuldades que o produtor rural enfrenta, já castigado por catástrofes naturais, como a ausência de chuvas na safra 2021/2022. No entanto, onde os valores estão sub-avaliados, entendemos que há uma necessidade de fazer a devida correção, levando em consideração a existência de recursos hídricos, acessos viários, natureza do solo, tipo de solo, se é útil pra pastagens, para agricultura, etc”.

 (Vandré Dubiela/Sou Agro)

 

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.