O terror das lavouras de milho, cigarrinha é responsável por redução na safra do PR

Compartilhar

#souagro| Falar em cigarrinha do milho, o produtor rural já fica com os cabelos em pé, como diz o ditado. A praga é o terror das lavouras e nesta safra veio com ainda mais intensidade, nós temos mostrado muitos casos em que os produtores tiveram muitas perdas.

A cigarrinha foi inclusive responsável pela queda na estimativa de colheita do milho safrinha, com 15,5 milhões de toneladas, a expectativa ficou em 700 mil toneladas a menos que a projeção de maio. Mesmo sendo expressivamente maior que a safra do ano passado que teve colheita de 5,7 milhões de toneladas, a praga causa preocupação, mas o Deral considera a queda de estimativa dentro da normalidade.

 

VEJA O VÍDEO:

 

“A produção esperada para esta safra é em torno de 15,5 milhões de toneladas, uma leve redução se a gente comparar a um número que a gente vinha até o mês passado que era em torno de 16 milhões de toneladas. Um dos principais motivos dessa redução é a reavaliação de termos de produtividade justamente pelos impacto pontuais do clima em algumas regiões do estado e especialmente pragas. A cigarrinha principalmente que atacou as lavouras em determinadas regiões do estado”, disse Edmar W. Gervásio, analista de Milho Deral.

 

Sobre os preços do milho, por enquanto a estabilidade está mantida.
“No sentido de mercado os preços continuam estáveis em torno de R$ 78, R$ 80 a saca de 60quilos e devem sofrer uma maior pressão justamente por causa da maior oferta do cereal
nas cotações no mercado internacional”, finalizou Edmar.

PROBLEMAS DA CIGARRINHA PARA O MILHO

Os enfezamentos do milho são causados por bactérias pertencentes à classe dos Mollicutes, que são transmitidas pela cigarrinha-do-milho. O espiroplasma causa o enfezamento pálido, enquanto o fitoplasma causa o enfezamento vermelho. As doenças são vasculares e sistêmicas: os mollicutes se concentram no floema da planta, estrutura responsável pela circulação da seiva elaborada (composta por nutrientes), obstruindo-o e causando desordens fisiológicas, nutricionais e bioquímicas nas plantas de milho.

Os sintomas das doenças são mais severos na fase de produção, polinização e formação dos grãos, quando o metabolismo da planta se intensifica. O momento exato da ocorrência vai depender da época em que a planta foi infectada, da cultivar de milho utilizada e das condições ambientais (em períodos mais quentes, o metabolismo da planta é mais intenso).

(Débora Damasceno/Sou Agro)

(Foto: Syngenta)

Compartilhe em suas redes sociais:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.