Adapar alerta que produtores paranaenses irregulares devem atualizar o rebanho

Compartilhar

#souagro| A atualização de Rebanho de 2022, terminou no dia 30 de junho e como a gente vinha falando aqui no portal Sou Agro, muito produtor não fez a documentação e precisa se regularizar, quase 20% de todos os pecuaristas não entregaram a documentação na data estipulada e agora a Adapar está em busca desses produtores.

O índice de atualização neste ano durante a campanha, foi de aproximadamente 83,6%, dentro do esperado pela Adapar, o equivalente a 155.789 propriedades rurais. Considerando os números por regionais, índices mais baixos se concentraram nas regiões de União da Vitória e Curitiba (65,8%), e os mais altos nas regiões de Toledo (96,9%), Paranavaí (98,2%) e Paranaguá (99,4%).

 

Mas mesmo com o fim da campanha, os fiscais da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar) trabalham na busca ativa de produtores, fator determinante para o controle de sanidade e vigilância de doenças no Estado.

Os paranaenses que trabalham com produção animal também podem procurar a Unidade Local da Adapar mais próxima da sua região para fazer o cadastro. Desde 1º de julho, os produtores que não atualizaram seus rebanhos não podem emitir a GTA (Guia de Trânsito Animal) e poderão ser autuados por essa infração.

 

Por conta desse trabalho o índice de atualização que era de 80% já subiu para 87%. Segundo a Adapar, essas atividades serão suspensas somente quando 100% das propriedades tiverem seu cadastro atualizado.

Com a certificação do Estado como de área livre de febre aftosa sem vacinação, a estratégia da vacinação foi substituída pela atualização do rebanho. Uma vez por ano o produtor deve declarar a quantidade de animais na propriedade. Isso possibilita ação rápida nos casos de suspeita inicial de doenças.

A Adapar também atua em parceria com as forças de segurança estaduais e federais para impedir a entrada de animais de outros estados e países que não tenham o mesmo status. Esse tipo de crime, se não combatido, compromete o status sanitário. Os cidadãos podem denunciar casos como esses pela Ouvidoria da Adapar.

(Débora Damasceno/Sou Agro com AEN)

 

(Foto: AEN)

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.