Polícia resgata cães que sofriam maus-tratos no PR

Compartilhar

#souagro| Os maus-tratos a animais geram grande comoção e revolta entre a população, mas esse tipo de crime continua acontecendo. Mesmo com a lei mais severa desde 2020, a Polícia sempre recebe denúncias de situações assim. Como aconteceu em Pato Branco, Sudoeste paranaense.

As equipes receberam uma denúncia anônima, quando o Batalhão de Polícia Ambiental Força Verde em conjunto com Polícia Civil, IAT e Secretaria do Meio Ambiental foram verificar o local e encontraram dezenas de cães em condições críticas.

Ao todo, 169 animais foram encontrados em duas ações de fiscalização, ambas em residências localizadas na zona rural da cidade. O Batalhão de Polícia Ambiental – Força Verde (BPAmb-FV), a Polícia Civil e a prefeitura participaram da fiscalização.

Na primeira abordagem, nesta quinta-feira (12) ao chegar na propriedade a situação era realmente grave. 25 cães estavam presos em espaços pequenos e extremamente sujos, com a presença de fezes, urina e alguns roedores mortos, além de potes com água suja e falta de alimentação. Alguns animais, estavam feridos e aparentemente desnutridos. A situação de maus-tratos foi confirmada pela médica veterinária que acompanhava as equipes.

Ratos mortos estavam no mesmo local que os cães
cães
Cães estavam machucados e doentes

O proprietário da área informou que aluga o local sem contrato. As equipes entraram em contato com o suposto locatário, mas ele não compareceu no local. Com isso, o dono do local  foi multado em R$ 25.000,00 e levado até a Delegacia para realização dos procedimentos legais.

Quatro cães feridos foram encaminhados para tratamento veterinário e os outros animais ficaram sob a responsabilidade da Secretaria do Meio Ambiente de Pato Branco.

cães

Resultados:
– 25 cães apreendidos
– 01 preso
-multa R$ 25.000

 

SEGUNDA ABORDAGEM

Já a segunda abordagem aconteceu nesta sexta-feira (13) pelos profissionais do Escritório Regional do IAT em Pato Branco, com apoio da Polícia Civil e da prefeitura. Foram identificados 144 animais na propriedade.

Alguns estavam sendo criados com o objetivo final de comercialização e eram mantidos em gaiolas. “São situações tristes que, infelizmente, precisam ser mostradas para que não aconteçam novamente”, destacou a chefe do Escritório Regional de Pato Branco, Flávia Ostapiv. “Os dois casos foram registrados na delegacia e agora daremos continuidade aos procedimentos administrativos cabíveis”.

 

O proprietário dessa residência deve se apresentar ao IAT na próxima semana para prestar esclarecimentos. De acordo com o assistente que atendeu as ocorrências, Vitor Debastiani Valer, manter animais presos da maneira como observado na ação já caracteriza maus-tratos, mas poucos sabem. “Parte dos animais será encaminhada, em caráter temporário, a ONGs e clínicas veterinárias. O IAT, a Polícia Civil e a prefeitura analisam a melhor destinação para que eles tenham os cuidados mais adequados”, afirmou.

A LEI

Em 2020 entrou em vigor a Lei 1.095/2019 que aumenta a punição para quem praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais. A legislação abrange animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos, incluindo, aí, cães e gatos, que acabam sendo os animais domésticos mais comuns e as principais vítimas desse tipo de crime. A nova lei cria um item específico para esses animais. Com isso, a prática de abuso e maus tratos a animais passou a ser punida com pena de reclusão de dois a cinco anos, além de multa e a proibição de guarda. Antes da lei, o crime de maus-tratos a animais constava no artigo 32 da Lei de Crimes Ambientais 9.605/98 e a pena previa de três meses a um ano de reclusão, além de multa. A lei também prevê punição a estabelecimentos comerciais e rurais que facilitarem o crime contra animais.

(Débora Damasceno/Sou Agro com AEN)

 

(Fotos: Polícia Ambiental)

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.