Afinal, quando a La Niña deve ir embora?

Compartilhar

#souagro| La Niña consiste em uma alteração periódica das temperaturas médias do Oceano Pacífico. Essa transformação é capaz de modificar uma série de outros fenômenos, como a distribuição de calor, concentração de chuvas, formação de secas e a pesca. Quando a alteração da temperatura das águas do Oceano Pacífico aponta para uma redução das médias térmicas, o fenômeno é nomeado de La Niña, basicamente o efeito La Niña está ligado ao resfriamento das temperaturas médias das águas do Oceano Pacífico, representando exatamente o oposto do fenômeno El Niño, que produz um aquecimento anormal de suas temperaturas. Mas afinal, quando a La Niña vai embora? Quem tem essa resposta em detalhes é o engenheiro agrônomo, Ronaldo Coutinho.

Veja a explicação completa: 

 

Tudo indica que a La Niña vai permanecer por um bom tempo e é importante acompanhar as previsões, pois o cenário está em constante mudança: “Tudo  indica dedica que o comportamento de La Niña vai agora de janeiro até pelo menos agosto, setembro de 2022. Então toda safrinha está sobre efeito de La Niña. O inverno está sobre efeito de La Niña e o começo da primavera ainda sobre efeito de La Niña, mesmo que não tenha La Niña no oceano é o famoso efeito chaleira, tu desliga a água que é a água que tá fervendo, não é porque tu desligou a água que tu pode meter o dedo lá dentro tem que esperar a água esfriar. Então, sumiu a La Niña no oceano, os efeitos da atmosfera continuam ainda por mais 50, 60, 90 dias. Então, setembro, começo de outubro, por enquanto os dados  indicam a continuidade de comportamento La Niña no verão, outono, inverno e talvez começo da primavera. Vamos torcer pra que esse mapa aqui mude pra que passe a voltar o que ele estava indicando. Porque se se não nós vamos ter problemas na saída do inverno”, explica Coutinho.

Se a mudança de La Niña não acontecer e a previsão se concretizar há preocupação com a agricultura em algumas culturas: “O frio chegando cedo e o frio saindo tarde, isso é ruim para fruta de caroço, uva, pera,  mirtilo, alguma coisa de caqui, culturas que são mais sensíveis a geada tardia. Para maçã talvez atrapalhe também. Então a o inverno está indicando ser bom pra fruticultura, a parte inicial e metade dele, depois pode ser problema com algum frio tardio, mais enjoado.”, diz Coutinho

 

“Para quem gosta de plantar o milho mais cedo, também pode ter risco. Para o pessoal do fumo que planta ao longo do inverno pode ter algum problema com geada danosa então é interessante ver o seguro. O milho safrinha interessante ver o seguro. O trigo também, porque boa parte do ciclo vai ser bom, mas na saída na finalização, floração, enchimento de grão e colheita, pode ser que dê algum problema com frio fora de época nas áreas de produção de trigo. Talvez a região com menor problema seja a área norte do Paraná. Ali do centro para o oeste do Paraná pro sul pode ser que tenha problema mais na fase de floração e e enchimento de grão com algum frio fora de época. É um ano realmente complicado esse. Não vai ser fácil pro produtor”, finaliza Coutinho.

 

(Débora Damasceno/ Sou Agro)

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.