Todas as estações em uma semana: como o produtor rural deve lidar com as mudanças climáticas?

Compartilhar

#souagro| Chuva, sol, calor, frio e geada. Tudo isso em poucos dias, é de deixar todo mundo confuso mesmo, principalmente o produtor rural que tem uma empresa a céu aberto e depende da previsão do tempo para o desenvolvimento das culturas. Bem, de fato, as mudanças climáticas tem deixado até os especialistas em alerta, por isso, conversamos com quem entende do assunto para explicar o que está acontecendo e como o agricultor deve se atentar a tudo isso que tem acontecido.

Loana Cardoso, é agrometeorologista e explica que realmente o cenário atual é confuso e é claro que a La Niña, o terror dos produtores, aparece aqui: “Nós estamos tentando sempre entender como as variações no clima e nas condições meteorológicas ocorridas impactam na nossa vida e, especialmente, na área da agricultura, no desenvolvimento e na situação das culturas. A gente vem vivendo um período de La Niña, onde a gente teve um verão 2021, 2022 com uma restrição hídrica bastante significativa, especialmente no Sul, Brasil e no Sul, com o impacto de redução nas culturas de verão.

 

VEJA O VÍDEO:

 

Realmente nos últimos meses tivemos condições muito atípicas com mudanças climáticas muito diferentes de anos anteriores.

“A gente voltou a ter chuvas mais expressivas e um inverno mais dentro da normalidade e com a recuperação dos regimes hídricos e da disponibilidade hídrica e das culturas, principalmente no Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Paraná, ainda com volumes até abaixo do normal, especialmente meses de junho e julho, e uma variação da temperatura bastante perceptível. Nós tivemos um mês de junho bem frio, dentro da normalidade do inverno e no mês de julho nós tivemos aí temperaturas mais elevadas e voltamos a ter temperaturas mais baixas no mês de agosto. Essa variabilidade dentro das semanas, dentro dos meses, ela é sentida pelas culturas, mas especialmente nas culturas de inverno, que elas têm um ciclo de desenvolvimento já adequado às s condições de frio de inverno”, detalha Loana.

Mesmo assim, para a região Sul, a agrometeorologista explica que os prejuízos não devem ser tão significativos para às culturas de inverno.

“A gente não observa assim uma grande preocupação. A gente verifica que o desenvolvimento das culturas de inverno, elas vêm sendo boas e assim, dentro da normalidade. Desenvolvimento vegetativo em boa condição de planta. As geadas em algumas áreas causaram alguns pequenos danos, especialmente em lavouras mais adiantadas, já indo para florescimento e início de formação, mas sem ter uma problemática”, explica Loana.

 

Sobre as culturas de verão, também há um olhar positivo por enquanto: “Para as culturas de verão que estão começando o ciclo, sendo plantadas o milho, principalmente já adiantado em algumas áreas. As condições vêm sendo boas, essas temperaturas baixas nesse período bem inicial de germinação e início de desenvolvimento não tendem a ter uma influência muito significativa. Geadas em áreas de baixada, especialmente pontualmente, podem sim ter causado dano em algumas pequenas áreas, mas ainda não há relatos de danos significativos em nenhuma nenhuma área de produção agrícola”, finaliza Loana.

(Débora Damasceno/Sou Agro )

(Foto: Envato)

 

 

 

 

Compartilhe em suas redes sociais:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.