ESPECIAIS

“Tivemos um primeiro navio com entrega de grãos, mas isso ainda não é nada”, diz presidente da Ucrânia

Compartilhar

#souagro| No começo da semana falamos aqui no Sou Agro sobre o primeiro navio carregado com grãos que deixou o porto ucraniano de Odesa para o Líbano na segunda-feira (01). Foi a primeira saída desde o começo do conflito entre Rússia e Ucrânia em 24 de fevereiro. O navio estava carregando 26.527 toneladas de milho para Trípoli, no Líbano, após um acordo de exportação de grãos e fertilizantes mediado pela Organização das Nações Unidas (ONU) entre Moscou e Kiev no mês passado – um raro avanço diplomático em uma guerra prolongada. No dia, o ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, disse: “O dia de alívio para o mundo, especialmente para nossos amigos no Oriente Médio, Ásia e África, pois o primeiro grão ucraniano deixa Odesa após meses de bloqueio russo”.

Mas nesta quarta-feira (03), o presidente da Ucrânia, Volodymr Zelenskiy, minimizou a importância do envio do primeiro carregamento de exportação de grãos do país desde a invasão russa. Ele disse que a Ucrânia estava transportando uma fração da safra que tem que vender para ajudar a salvar sua economia abalada pela guerra.

 

Os comentários pessimistas, feitos em vídeo para estudantes na Austrália, ocorreram quando uma inspeção do navio foi concluída na Turquia, antes de a embarcação seguir para seu destino final no Líbano, sob um acordo para aliviar uma crise alimentar global.

Mas Zelenskiy, falando por meio de um intérprete, disse que é necessário mais tempo para ver se outros embarques de grãos acontecerão: “Recentemente, graças à parceria da ONU com a Turquia, tivemos um primeiro navio com entrega de grãos, mas isso ainda não é nada. Esperamos que seja uma tendência que continue”, declarou aos alunos.

 

Segundo ele, a Ucrânia tinha que exportar um mínimo de 10 milhões de toneladas de grãos para ajudar urgentemente a reduzir seu déficit orçamentário, que está em $ 5 bilhões por mês.

A Turquia disse que três navios podem deixar os portos ucranianos diariamente, após a partida do Razoni, enquanto o ministro da Infraestrutura da Ucrânia afirmou que mais 17 navios foram carregados com produtos agrícolas e estavam esperando para zarpar.

Conhecida como celeiro da Europa, a Ucrânia espera exportar 20 milhões de toneladas de grãos mantidos em silos e 40 milhões de toneladas da colheita em andamento, inicialmente de Odessa e das proximidades de Pivdennyi e Chornomorsk.

 

Economia em coma

“A guerra está quase matando a economia. Está em coma”, acrescentou Zelenskiy. “O bloqueio dos portos pela Rússia é uma grande perda para a economia.”

Zelenskiy alertou repetidamente que Moscou pode tentar obstruir as exportações, apesar de ter assinado o acordo do mês passado.

A Rússia, que bloqueou os portos da Ucrânia depois de iniciar em 24 de fevereiro o que chamou de “uma operação militar especial”, disse que quer ver mais ações para facilitar as exportações de seus próprios grãos e fertilizantes. O país classificou a saída do primeiro navio de grãos da Ucrânia como positiva.

A Rússia nega responsabilidade pela crise alimentar, dizendo que as sanções do Ocidente, que considera a guerra uma apropriação de território ucraniano por Moscou não provocada ao estilo imperialista, desaceleraram suas exportações.

 

(Débora Damasceno/Sou Agro com Reuters)

(Foto: Reuters)

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.