Agronegócio e tecnologia mais integrados em 2022

Compartilhar

#souagro| O setor do agronegócio é um dos que mais deve investir no uso de tecnologia de Inteligência Artificial em 2022. Isso porque a tecnologia está cada vez mais presente no campo. A Inteligência Artificial começou a impactar diretamente no campo há alguns anos e já teve muitos avanços em termos de eficiência.

A expectativa é de que neste ano as empresas em geral aumentem em 28% os investimentos em tecnologia, e o agro está na ponta desta lista.

Cerca de 10% das empresas de inteligência artificial tem como foco a agricultura. A tendência, com os crescentes investimentos na área, é de que a tecnologia venha em grande escala para o setor.

 

Desde o planejamento, até o plantio e o transporte de matéria prima para indústria, o uso de tecnologia tem avançado e é usado na execução de tarefas que com essa tecnologia ficaram mais ágeis e mais simples.

Automação no campo

Nos últimos anos, sensores passaram a registrar as atividades dos equipamentos agrícolas de segundo a segundo, recolhendo centenas de informações sobre as operações realizadas — das mais simples, como velocidade da máquina e nível de combustível, até as mais complexas, como pressão hidráulica e acionamento de implementos. Por conta disso, as empresas do setor começaram a acumular uma infinidade de informações coletadas em diferentes processos.

Nesse cenário, o uso da Inteligência Artificial é capaz de apoiar a elaboração de diagnósticos e permitir ações com base na previsibilidade. A tecnologia trata esses dados e projeta cenários, antecipando situações indesejáveis e fazendo recomendações em tempo real. Algumas ações comuns são o aviso do momento ideal para realização de uma manutenção no equipamento e a escolha de rotas e a de movimentos mais eficientes para execução das operações.

 

Outro exemplo é o diagnóstico por imagens. Junto ao trabalho de drones, é possível processar imensas áreas de forma remota, visualizando onde há possíveis ameaças, plantas daninhas, doenças fúngicas e deficiências nutricionais. Com isso, identifica-se precisamente onde é necessário aplicar corretivos ou outros produtos para recuperação da produtividade.

Em termos de automação, o mercado já apresenta veículos com piloto automático e protótipos de máquinas com “autodireção” que precisam da tecnologia para não cometer erros ou gerar acidentes. Com inovação, além da popularização desse tipo de máquina, logo teremos tratores e colhedoras capazes de atuar com recursos ainda mais revolucionários.

A ideia é que a máquina seja o mais auto suficiente possível, reduzindo a necessidade de intervenção por parte do operador. Elas poderão, por exemplo, dosar a quantidade ideal de defensivo a ser aplicado em uma área, identificar plantas prontas para a colheita ou que precisam de descarte, e até mudar de rota quando houver alguma interferência externa, como um obstáculo não mapeado. Tudo por conta própria.

(Tatiane Bertolino/Sou Agro – com Portal do Agronegócio)

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.