ESPECIAIS

“Se a gente perde a vida não tem mais como trabalhar”, desabafa agricultor afetado pela tempestade

Compartilhar

#souagro| Há quase três semanas o Oeste do Paraná se viu diante de um cenário devastador. Uma tempestade passou pela região e deixou um rastro de destruição. Em poucos minutos o granizo destruiu lavouras e propriedades inteiras. Como a gente já vem mostrando aqui no portal Sou Agro, uma das cidades mais afetadas é Maripá. Até hoje os produtores rurais estão na batalha para recomeçar.

Como é o caso da família Lorenson. De longe é possível ver a destruição deixada pelo vendaval: “Um furacão mesmo detonou tudo, foi muito tenso. A família entrou em desespero, foi bem complicado. Eu saí do barracão daí o vento pegou e derrubou. Por pouco eu escapei. Acho que durou cinco minutos. Agora é esperar e graças a Deus a gente com a vida consegue tocar, né? Se não, se você perde a vida, não tem mais como trabalhar”, explica Amauri Kienen, produtor rural e genro do dono da propriedade.

ASSISTA O VÍDEO:

 

PREJUÍZOS

Ao entrar na propriedade, a visão é inacreditável. Todas as máquinas estão debaixo do barracão que caiu com a força do vento, por ali pouca coisa salvou: “Tem todos os equipamento da lavoura, né? Tem Uniport, lâmina, trator, plantadeira, tem duas colhedeira lá de baixo. Aqui escapou só o caminhão que foi levado no vizinho e uma colhedeira mais velha que não estragou. O resto virou esses entulho aí. Eu acho que o que  estragou aqui dá muito mais do que seis milhões”, explica o produtor.

O SEGURO

Das máquinas destruídas, poucas tinham seguro e agora o jeito é recomeçar: “Só a Uniport e o carretão tinham seguro, o resto não tinham mais. O barracão não tem nada, isso aí vai ter que ser no na raça agora pra erguer”, detalha Amauri.

 

FORÇA TAREFA

Em meio ao desespero da família o que se vê é a solidariedade. Muitos vizinhos se uniram em uma verdadeira força tarefa para ajudar a família Lorenson a fazer a limpeza da propriedade e conseguir recomeçar:” No dia que acontece, eu mesmo deixei minha esposa dentro de casa e peguei um trator e saí limpando estrada. Depois eu voltei e fui ver o que que sobrou. Aí nós trabalhamos à noite toda aquele dia, limpando as estrada e ainda tentando salvar alguma coisa. Uma tristeza, né? Porque é reconstrução, trabalho de formiguinha agora. Todo mundo ajudando e é assim”, explica Amauri.

O RECOMEÇO

Se tem uma coisa que o produtor rural não faz é desistir, e é isso. Agora a família vai trabalhar para reconstruir aquilo que a tempestade destruiu em minutos: “Isso aqui tem anos de trabalho, foi levantado devagar, meu sogro trabalhou muito aí. Eu nunca vi algo parecido e espero nunca mais passar, né? Tomara que que Deus coloque a mão e a gente não passa de novo, porque foi complicado, mas vamos se recuperar, né?”, finaliza Amauri Kienen ainda abalado com a tempestade.

(Débora Damasceno com Sirlei Benetti/Sou Agro )

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.