ESPECIAIS

Nova ponte entre Brasil e Paraguai vai agilizar escoamento da produção

Compartilhar

#souagro| A nova ponte que vai ligar o Brasil ao Paraguai é uma espera antiga que agora está prestes a ser entregue. A estrutura está sendo construída entre Foz do Iguaçu, no Oeste paranaense e a cidade paraguaia de Presidente Franco. Com um investimento de R$ 323 milhões, a Ponte da Integração tem como finalidade principal melhorar e agilizar a travessia entre os dois países que hoje é feita pela ponte internacional da Amizade, entre Foz e Cidade do Leste.

Para o agronegócio, a nova estrutura vai resultar em uma logística muito mais ágil e eficiente quando se fala em escoamento da produção: “Por ser uma via praticamente exclusiva para os caminhões, essa perimetral, isso vai ser uma dinâmica muito boa para o escoamento da safras. A gente sabe que hoje nós temos uma grande dificuldade, a estrutura atual hoje da BR-277, da Ponte da Amizade, a interligação com o atual Porto Seco, ela não foi dimensionada para o atual fluxo de caminhões. Nós percebemos hoje que sempre temos transtornos, congestionamentos, nós acreditamos que com a nova ponte, o novo Porto Seco que vai ser construído nas imediações, essas carretas não precisarão passar pelo centro de Foz do Iguaçu, então nós acreditamos que o fluxo vai ser melhor, vai ser mais tranquilo para que a os veículos de carga entrem e saiam do país”, explica o Chefe da Delegacia da Polícia Rodoviária de Foz do Iguaçu, Marcos Pierre.

ASSISTA O VÍDEO:

 

A IMPORTÂNCIA DO NOVO PORTO SECO

Outro fator que vai melhorar a questão do escoamento é um novo Porto Seco: “A informação e os estudos que chegaram ao conhecimento da Polícia Rodoviária Federal é que as as margens da Perimetral já tem uma área destinada para construção do novo Porto Seco. Então a atual estrutura aqui no perímetro urbano de Foz do Iguaçu ela será desativada e todos os caminhões que ingressam para Argentina e para o Paraguai e retornam para o Brasil, todo o trânsito aduaneiro nessa será por essa nova estrutura, nesse novo Porto Seco que será maior e mais moderno. Além disso,  principalmente esses caminhões não precisarão ingressar no perímetro urbano na área central de Foz do Iguaçu. Então, isso vai ser bom para o próprio motorista, ele não vai ter todo esse transtorno com outros automóveis, motocicletas e pedestres e também vai ser bom para a sociedade, porque vai separar o fluxo, ou seja, a esse novo Porto Seco que está sendo planejado é para melhorar o escoamento da safra que nós sabemos que isso é importante para o Brasil e para o país vizinho. É essencial que tenhamos estruturas adequadas para esse escoamento, e esse projeto está sendo feito principalmente para melhorar especialmente o fluxo de cargas”, explica Pierre.

 

AUMENTO DA FISCALIZAÇÃO

Segundo o Chefe da Delegacia da Polícia Rodoviária de Foz do Iguaçu, Marcos Pierre, a nova ponte vai exigir uma fiscalização ainda mais intensa:  “A segunda ponte com o Paraguai ela vai influenciar diretamente o trabalho da Polícia Rodoviária Federal, uma vez que será construída a via perimetral. Então serão mais de oito quilômetros de novo trecho rodoviário que estará sob administração e fiscalização da Polícia Rodoviária Federal. Nós sabemos que essa perimetral vai se estender da nova ponte do Paraguai, vai se encontrar com a atual ponte da Argentina, a ponte Tancredo Neves e depois ela vai seguir pela área rural de Foz do Iguaçu, até atingir a BR-277 Então é um novo trecho de rodovia. A Polícia Rodoviária Federal já está trabalhando e inclusive uma nova unidade operacional será construída para atender essas duas pontes. Então, nós teremos uma única unidade da PRF, mais moderna, inclusive com cobertura de pista pra fiscalização nos dois sentidos. Então todos os veículos que entrarem ou saírem pela nova ponte,  obrigatoriamente passarão sobre essa nova unidade operacional e nós também teremos um incremento de efetivo”, detalha Pierre.

A ENTREGA DA PONTE

A conclusão está estimado para agosto de 2022. A ponte terá 760 metros de comprimento e um vão-livre de 470 metros, o maior da América Latina. Serão duas pistas simples com 3,6 metros de largura, acostamento de três metros e calçada de 1,7 metro nas laterais. O resultado da obra é uma parceria entre os Governos Federal e Estadual e a Itaipu Binacional.

(Débora Damasceno/Sou Agro)

(Fotos: AEN)

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.