FAO aponta declínio de 1,2% no comércio global de cereais

Compartilhar

#souagro | De acordo com uma nota informativa sobre Oferta e Demanda de Cereais, a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), há previsões atualizadas apontando para um provável declínio de 1,2% no comércio global de cereais no ano comercial de 2021/22 (julho/junho) em comparação com o ano anterior.

O declínio está associado ao milho e outros grãos grosseiros, enquanto os volumes de comércio de arroz devem aumentar 3,8% e trigo 1,0%, impulsionados por exportações da Federação da Rússia para o Egito, República Islâmica do Irã e Turquia acima do esperado.

 

 

Com quase todas as safras do ciclo 2020/21 colhidas, a FAO estima a produção mundial de cereais em 2,799 milhões de toneladas, o que representa um aumento de 0,8% em relação à produção de 2019/20.

A previsão é que o uso global de cereais em 2021/22 aumente 0,9% em relação ao ano anterior, para 2.785 milhões de toneladas.

A nova estimativa da FAO das reservas mundiais de cereais no final das temporadas de 2022 agora é de 856 milhões de toneladas, ou seja, 2,8% acima dos níveis iniciais, como resultado de um acúmulo de estoques em parte devido à suspensão das exportações da Ucrânia. Se confirmada, a relação entre as reservas mundiais de grãos e a utilização terminaria o período inalterada em “um nível de oferta relativamente confortável” de 29,9%, segundo a FAO.

 

 

A FAO continua prevendo que a produção mundial de trigo registrará crescimento em 2022 e chegará a 782 milhões de toneladas. Incluído nessa previsão está uma redução esperada de 20% na área colhida na Ucrânia, bem como uma queda na produção devido à seca no Marrocos.

Em relação aos grãos grossos, a nota observa que o Brasil está a caminho de colher uma safra recorde de milho de 116 milhões de toneladas em 2022, enquanto as condições climáticas provavelmente afetarão a produção de milho na Argentina e na África do Sul. Pesquisas iniciais de plantio indicam que a área semeada de milho nos Estados Unidos da América provavelmente diminuirá em 4% em meio a preocupações com os altos custos de fertilizantes e outros insumos.

 

(Ageiél Machado com FAO)

 

 

(Foto: pixabay)

Compartilhe em suas redes sociais:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.