Alimentação natural de bezerras pode ser substituída

Compartilhar

#souagro | As bezerras, como qualquer outro mamífero, depende do leite materno para a criação inicial. Porém, nem sempre o leite natural é a melhor saída, pois, em algumas ocasiões, ele pode até fazer mal às criações. Com isso, existem algumas saídas benéficas para os animais. Uma delas é o sucedâneo lácteo, que acaba se torna uma opção mais saudável, funcionando como um suplemento, e potencializando o desempenho dos animais.

Conforme explica o engenheiro agrônomo, William Tabchoury, o leite apresenta uma composição mais densa de energia, “estamos acostumados a criá-los com o leite da própria mãe, sejam vacas de leite ou de corte. A gordura do leite leva à criação de animais com maior massa gorda, fato natural para proteção da cria em situações de desafios naturais, mas que pode comprometer o desempenho produtivo das fêmeas”, explica Tabchoury.

 

 

A opção mais rentável é a adoção de formulações de sucedâneos lácteos, que possibilitam o correto desenvolvimento das bezerras, garantindo melhores índices produtivos na fase adulta. “A formulação do sucedâneo assemelha-se à composição do leite, incluindo a adição de vitaminas e minerais. Seu uso proporciona a produção de bezerras mais saudáveis, que se tornarão vacas mais produtivos, com melhor desempenho zootécnico e maior rentabilidade aos produtores”, assinala o especialista da Auster.

Tabchoury diz que o sucedâneo é um “suplemento” estável para as bezerras, já que não provoca alterações na nutrição nem no metabolismo do animal. Além disso, garante que as bezerras estejam livres de contaminantes e patógenos, promovendo redução da mortalidade com doenças, menos gastos com tratamentos e, até mesmo, da idade do primeiro parto.

 

 

“O sucedâneo lácteo Nattimilk, da Auster, contribui para o maior desenvolvimento de massa magra nas bezerras. Isso ocorre porque sua formulação contém um nível mais elevado de lactose, relação mais estreita entre proteína e gordura (que é micro-encapsulada), melhorando a sua digestão e aproveitamento”, pontua William Tabchoury.

 

(Ageiél Machado/Sou Agro com agências)

 

 

(foto: reprodução internet)

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.