Armadilha inteligente prevê infestação de lagartas em soja

Compartilhar

A Tarvos, empresa brasileira de base tecnológica, desenvolveu estações inteligentes de monitoramento e alerta sobre insetos-praga (lagartas) para reduzir o uso de defensivos, gerar economia e prevenir perdas nas lavouras. O primeiro teste comercial do equipamento Tarvos LD ocorreu na safra de verão de 20/21 com 50 mil hectares monitorados em 23 fazendas de soja e de algodão nos estados do Mato Grosso e Bahia.

“Nosso sistema ajuda o produtor a encontrar a melhor janela de aplicação e assim melhorar a eficiência deste processo, economizando em insumos, porque a pulverização só acontece quando ela realmente é necessária”, explica Andrei Grespan, co-fundador da Tarvos.

Os resultados da safra de algodão, ainda em fechamento, apontaram para uma economia de pelo menos 20% na aplicação de defensivos agrícolas em fazendas mato-grossenses no controle da lagarta do cartucho.

Equipamento evita até 70% no número de inspeções desnecessárias às lavouras. (foto – Tarvos)

Agro 4.0

Isso foi possível graças a um conjunto de tecnologias Agro 4.0, que foram implementadas com apoio da Fapesp. As estações de monitoramento têm câmeras especiais para o registro remoto de infestações de mariposas (fase adulta da lagarta).

Fotos diárias são capturadas e os dados são processados na própria estação com o software Tarvos View, que usa inteligência artificial para contagem e classificação dos insetos.

A partir daí, os dados são enviados por meio de um link satelital a uma plataforma web de acompanhamento.

O equipamento faz a própria contagem automática das mariposas capturadas durante a noite e as informações são transmitidas logo na manhã seguinte.

A transmissão dos dados de contagem e classificação dos insetos é feita por redes satélites que garantem o funcionamento em qualquer lugar da América Latina.

Dessa forma, os gestores das propriedades conseguem acesso remoto por meio de celular ou tablet sobre a condição da lavoura para tomadas de decisões e redução de até 70% no número de visitas e inspeções da lavoura.

“Com a ferramenta digital, é possível receber alertas com todas as informações sobre a lavoura para a tomada de decisões. Toda vez que um talhão exceder o nível de controle, o responsável pela área será alertado sobre a situação, onde quer que ele esteja. Tudo isso, sem precisar ir à campo de maneira desnecessária”, conta.

Sistema usa energia solar e conectividade por satélite em qualquer ponto da América do Sul. (imagem: Tarvos)

Lagartas

Alguns exemplos de espécies monitoradas pela tecnologia são as lagartas do complexo Spodoptera, que geram prejuízo de até R$ 20,5 bilhões para os produtores de milho só no Brasil.

Do mesmo modo, o sistema também pode monitorar a Helicoverpa armigera e a lagarta falsa medideira, que provocam perdas anuais de R$ 26 bilhões em todo o mundo.

O prognóstico para a safra 21/22 é quadruplicar a área anterior, alcançando 200 mil hectares nos principais polos agrícolas do Brasil. O foco será o monitoramento da lagarta-do-cartucho no algodão, da lagarta falsa medideira na soja e da broca-da-cana.

Manejo integrado de pragas

O monitoramento é uma das bases mais importantes do Manejo Integrado de Pragas (MIP), já que o tamanho das lagartas e o nível de infestação influenciam diretamente no sucesso do controle.

“Quando as aplicações de produtos biológicos ou químicos são realizadas no momento certo, existem mais opções de produtos, a eficácia de controle é maior e os custos menores. Assim, o MIP requer determinações precisas e rápidas dos níveis populacionais das pragas presentes no campo”, finaliza Andrei.

Produtor monitora a lavoura à distância no celular e recebe alertas caso haja infestação. (imagem- Tarvos)

Clique e faça parte do grupo de WhatsApp do Sou Agro

FONTE: AGEVOLUTION

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.