ESPECIAIS

Quadrilha misturava areia na soja de cargas milionárias enviadas para China

Compartilhar

#souagro| Areia na soja, era isso que uma quadrilha fazia no Mato Grosso, em cargas milionárias que eram exportadas para a China.

O suspeito de ser o líder do grupo criminoso foi preso pela Polícia Civil durante a Operação Grão de Areia. As investigações apontam que 9 mil toneladas de soja foram adulteradas pela quadrilha que é suspeita de atuar em crimes de furto e fraude na entrega de cargas.

VEJA O VÍDEO:

 

 

Segundo a polícia, no período de três meses, o homem apontado como chefe do bando, comprou areia suficiente para construir um prédio de 30 andares. Os crimes ocorriam no terminal ferroviário de Rondonópolis, local importante para o escoamento de boa parte da safra do estado.

SOJA

 

COMO A QUADRILHA AGIA

Segundo a Polícia, a quadrilha é formada por empresários do ramo de transporte e comércio de grãos, agenciadores, motoristas de caminhão e funcionários da empresa vítima,  30 pessoas já foram identificadas.

 

As investigações apontaram o seguinte: inicialmente o farelo de soja era carregado em uma empresa na cidade de Primavera do Leste e depois seguia para o terminal de cargas em Rondonópolis. Era lá que a quadrilha fazia a clonagem de outro caminhão com a carga já adulterada.

soja

Enquanto isso, a carga correta, ou seja, sem adulteração, era levada para a empresa do investigado, onde era descarregada e depois vendida por valores abaixo do preço de mercado, gerando um lucro aproximado de R$ 100 mil por carga desviada.

 

Só que tem mais, em outra frente criminosa, que tinha foco nos produtos de soja a granel e farelo de soja. Neste caso, os motoristas de caminhões das cargas lícitas eram aliciados e levados até as empresas dos investigados, lá era feita a adulteração da carga, usando areia.

O grupo criminoso estaria atuando em Rondonópolis desde 2020, tendo desviado aproximadamente 9 mil toneladas de soja e farelo de soja entre janeiro a março de 2021. O valor do produto roubado é estimado em R$ 22,5 milhões, mas com indícios que os crimes continuam.

 

AS INVESTIGAÇÕES

Esta é a terceira fase da investigação que começou em março de 2021, quando 10 pessoas foram presas por receptação, roubo e adulteração de cargas de soja, farelo de soja e milho. Na época, o grupo criminoso estava com uma carga de farelo de soja avaliada em R$ 130 mil. A quadrilha iria transformar a carga roubada em outras cargas adulteradas.

SOJA

Durante a operação desta quinta-feira (28), as equipes cumpriram dezenas de mandados de prisão preventiva e apreenderam pelo menos seis carros utilizados pelos suspeitos.

 

A ação foi deflagrada por equipes da Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO) e a Delegacia Especializada de Roubos e Furtos (Derf) de Rondonópolis com cumprimento de 88 ordens judiciais.

Foram cumpridos 25 mandados de prisão preventiva, 32 mandados de busca e apreensão domiciliar, além de 31 ordens de sequestro de bens nas cidades de Rondonópolis, Pedra Preta, Diamantino e em Cuiabá.

As investigações continuam.

(Débora Damasceno/Sou Agro)

(Fotos: PC/MT)

 

 

 

 

 

 

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.