Do Brasil para o mundo: feijão ganha cada vez mais espaço no mercado internacional

Compartilhar

#souagro| O feijão brasileiro tem ganhado cada vez mais espaço no mercado internacional, só no ano passado o Brasil exportou cerca de 220 mil toneladas do produto. E agora o Instituto Brasileiro do Feijão, Pulses e Colheitas Especiais assinou um convênio inédito com a APEX Brasil para promover os Feijões e Gergelim brasileiros em 12 países, com um investimento total de  R$1 milhão. Com foco inicial nos Emirados Árabes Unidos, Japão, Costa Rica, Vietnã, Chile, China, Cingapura, Coreia do Sul, Costa Rica, Estados Unidos, Filipinas e Índia.

“No primeiro momento estaremos trabalhando com os doze países mais importantes para o nosso negócio. Quais são os países que podem ter o volume maior de importação, feijão e gergelim também. Mercado de gergelim ganha cada vez mais notoriedade. Não só no Brasil, na capacidade de, mas também como um provedor para o mundo”, disse o presidente do IBRAFE, Marcelo Eduardo Lüders.

 

VEJA O VÍDEO:

 

Essa iniciativa conta com o apoio de quinze dos maiores exportadores do Brasil e de toda a área da agricultura brasileira. Após cinco anos de visitas e negociações em Brasília, o IBRAFE acredita que o acordo deva alavancar os embarques do produto e comemora esse grande passo.

“Começando aqui pela frente parlamentar da agricultura que está apoiando e muito essa iniciativa. Também a câmara setorial do da cadeia produtiva do feijão e o Conselho Brasileiro do Feijão também apoia essa iniciativa do IBRAFE. Viva o feijão do Brasil”, disse Marcelo.

 

Najla Souza gerente do projeto destaca que entre outras inciativas, além das tradicionais feiras, espera trabalhar com inteligência de mercado, defesa de interesses  e outras negociações para que os países de destino diminuam as barreiras que algumas vezes existem como, por exemplo, os impostos de importação altos para o produto do Brasil.

“Estas negociações precisam de alguém que as faça, que negocie, que pleiteie. Veio em boa hora este acordo, uma vez que este ano as dificuldades mundiais e a diminuição de nossa produção poderão impor redução no volume exportado pelo Brasil”, destacou o presidente do IBRAFE, Marcelo Eduardo Lüders.

 

Após diversas visitas em Brasília, entre elas , à Secretaria de Política Agrícola do MAPA, o IBRAFE identificou as principais necessidades do setor nos últimos anos. Grande parte dos envolvidos entendem que é preciso ter uma válvula de escape para a produção de Feijão. Sendo assim, se não houver avanços na exportação, há o risco de que, se o produtor não sentir que pode gerar excedentes de Feijões, vai seguir diminuindo a área plantada.

“Se todos voltarem a plantar somente carioca, teremos novamente períodos com preços altos seguidos de muito plantio e logo após preços baixos que desestimulam a produção e trazem prejuízo aos produtores e aos empacotadores. Assim, avançar na pesquisa e no plantio de outras variedades é o caminho e, ao que tudo indica, é o que todos entendem atualmente”, finalizou Lüders.

(Débora Damasceno/Sou Agro com Ibrafe e Terra Viva)

 

(Foto: Unsplash)

Compartilhe em suas redes sociais:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.