Preço das frutas está baixando segundo a Conab

Compartilhar

A redução de preço do mamão e da melancia oferecem boas perspectivas para o consumo de frutas. De acordo com o 5º Boletim do Programa Brasileiro de Modernização do Mercado Hortigranjeiro (Prohort), divulgado nesta terça-feira (17) pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a baixa procura pela melancia tem mantido as cotações estáveis ou até mais baixas em alguns mercados, especialmente na CEAGESP/SP (-40,48%), com preço médio de R$ 1,50/kg, e na Ceasa de Goiânia/GO (-36,56%), onde a fruta chegou a um preço médio de R$ 2,03/kg. Já o mamão vinha em patamares elevados no início do ano e diminuíram um pouco em abril, embora possa voltar ao viés de alta ainda neste mês. Outras frutas, como banana,  laranja  e  maçã, tiveram  oscilações  entre os mercados atacadistas estudados, com destaque para a redução do preço médio da laranja na Ceasa de Rio Branco/AC (-26,84%) e da maçã em Vitória/ES (-18,46%).

No caso das hortaliças, o levantamento aponta alta nos preços da batata, cebola e do tomate nos mercados atacadistas estudados. O alívio veio com a cenoura, que depois  de  uma  escalada  dos  preços  em  todos  os  meses  deste  ano,  apontou reversão  dos valores a partir de abril, explicada pela menor demanda da raiz.  As maiores quedas ocorreram em Vitória/ES, onde a variação negativa foi de 30,16%. No entanto, mesmo  com  a  queda,  o Boletim revela que os níveis das cotações continuam elevados em comparação a outros anos.

 

Para driblar a alta dos hortifrutis, o  Prohort  informa  outros  produtos  importantes  na  composição  do  quadro alimentar do consumidor que apresentaram queda nas cotações. As alternativas apontadas aos clientes das Ceasas e aos consumidores em geral tem como referência a redução de valores que ocorreram em abril, na comparação com o mês anterior, dentre as hortaliças comercializadas na Ceagesp/SP. Os destaques na redução da média de preços são: abóbora moranga (-20%), beterraba (-16%), batata-doce (-15%), inhame (-12%) e abobrinha (-11%). Em relação às frutas comercializadas no mesmo entreposto, comparando-se abril com março, destacaram-se na redução das cotações: caqui (-47%), pêssego (-29%), melão (-21%), carambola (-17%), limão (-15%) e a uva (-12%).

Flores

A edição de maio do Boletim Prohort trouxe também um tópico extra sobre o mercado de flores e plantas ornamentais, produzido em parceria com o Instituto Brasileiro de Floricultura (Ibraflor), que destacou alguns números chaves do setor e um breve panorama da dinâmica do mercado nos últimos anos. De acordo com as análises, espera-se um crescimento de 12% em 2022 em relação a 2021, mas que ainda dependerá da situação econômica do país. Os bons resultados do mercado como um todo deve-se ao ganho em eficiência ocorrido na floricultura nacional este ano graças, principalmente, às melhorias na comercialização, da cadeia do frio e da logística. Os resultados foram a redução do tempo que as flores e plantas levam para percorrer o trajeto entre o produtor e o consumidor, com a consequente diminuição das perdas e dos desperdícios.

 

Segundo o Boletim, a pandemia da Covid-19 afetou muito o mercado de plantas e flores ornamentais nos primeiros meses de 2020. No entanto, com o passar do tempo e as pessoas permanecendo em casa, passaram também a utilizar mais as flores e plantas para decorar os ambientes, o que alavancou o crescimento do mercado das plantas verdes e das flores em vaso. Já as flores cortadas, utilizadas na decoração de casamentos e formaturas, entre outras festas, sofreram um grande baque em 2020 e continuaram sofrendo em 2021 e ainda não chegaram ao patamar correto até hoje.

A  base  de  dados  Conab/Prohort,  considerada  a  maior  e  de  maior  alcance  do  país, contempla  informações  de  117  frutas  e  123  hortaliças,  somando  mais  de  2  mil produtos e suas variedades. O  levantamento  dos  dados  estatísticos  que  possibilitaram  a  análise  deste  mês  foi realizado   nas   Centrais   de   Abastecimento   localizadas   em   São   Paulo/SP,   Belo Horizonte/MG,  Rio  de  Janeiro/RJ,  Vitória/ES,  Curitiba/PR,  Goiânia/GO,  Brasília/DF, Recife/PE, Fortaleza/CE e Rio Branco/AC.

 

(Fonte: Conab)

Compartilhe em suas redes sociais:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.