ESPECIAIS

Logística ineficiente custa R$ 300 milhões/ano ao oeste

Compartilhar

 

#souagro | A logística de transporte ainda é a pedra no sapato do agronegócio do oeste do Paraná. Por mais de duas décadas, os agricultores e pecuaristas conviveram com o custo-pedágio, por ora estagnado e que retornará assim que a nova concessão for definida por meio de concorrência pública prevista para 2023. O custo anual desse gargalo logístico é de pelo menos R$ 300 milhões ao ano, conforme falou ao Portal Sou Agro o presidente da Coopavel, Dilvo Grolli e um dos maiores defensores do Paraná pela cobrança de um pedágio justo e transparente. “Não tem cabimento o oeste do Paraná proporcionar tantos retornos para a economia do Paraná e não ter uma estrutura de transporte condizente com o que produz”, exclama o líder cooperativista.

 

Confira a entrevista sobre o assunto com o líder cooperativista Dilvo Grolli:

 

Para Dilvo, esse impacto econômico atinge vários elos da cadeia produtiva do agronegócio na região. Quando ativas, segundo ele, as praças de pedágio oneraram muito a economia do oeste e de todo o Estado por mais de duas décadas. “Como por exemplo, para a produção de carne, é preciso grãos para transformação em ração, transporte de aves e da carne, então toda essa logística de transporte é afetada”. E ele continua: “E não temos outra alternativa eficiente no oeste senão a parte rodoviária”. Dilvo defende a equidade dos valores, utilizando como modelo outros estados e países cujo conceito está em oferecer melhores condições de trafegabilidade nas estradas e não com foco apenas no lucro.

Na entrevista, Dilvo Grolli afirma ser a favor do pedágio e uma maneira eficiente de administrar as rodovias, porém, com uma cobrança justa e transparente. Com caneta e papel nas mãos, ele faz um cálculo simples. “O fim do pedágio proporcionou uma economia de 2% por saca de milho produzida e de 1% por saca em relação à soja”.

O líder cooperativista entende que o novo contrato do pedágio no Paraná foi postergado para não conflitar com o ano político, o que, segundo ele, é extremamente ruim para o oeste, pois dessa forma, perde força e representatividade para que o modelo contemple os interesses e a realidade econômica regional.

 

 

Ele tece duras críticas ao modelo férreo existente no Paraná atualmente e enxerga um favorecimento da empresa responsável pela logística de transporte via trilhos de Guarapuava até o Porto de Paranaguá. O trecho entre Cascavel e Guarapuava pertence ao Estado e o restante do percurso, é privado. “Não é uma ferrovia com boa operação. Temos gargalos a superar”. Para ele, há uma predileção por parte da empresa, a Rumo, por investimentos mais pomposos no trecho sob concessão em direção ao norte do Paraná. “A preferência deles pelo norte é clara em detrimento ao oeste”.

No oeste do Paraná, são colhidas nove milhões de toneladas de grãos todos os anos. Deste total, são destinadas entre quatro e cinco milhões para abastecer o mercado externo. “Além dos grãos, há também a proteína animal”. A região agricultável da Seab de Cascavel e de Toledo, juntas, respondem por um milhão de hectares.

Colocando frente a frente a logística rodoviária e férrea. A primeira é muito mais onerosa. Já a segunda, é 35% mais em conta, mas esbarra nas questões operacionais. Confira mais detalhes da entrevista acessando o link da reportagem do Sou Agro.

(Vandré Dubiela/Sou Agro)

 

Edição VT: Ageiel Machado/Sou Agro

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.