Encontro debate ações prioritárias para a bovinocultura de corte

Compartilhar

#souagro| As ações prioritárias para o setor produtivo em 2022 foram tema de debate da Comissão Nacional de Bovinocultura de Corte da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA): “A Comissão é o fórum de discussão de temas fundamentais da pecuária de corte nacional. Para este ano, nós separamos os principais assuntos do setor e ficaremos atentos para defender o pecuarista de corte em qualquer instância e momento”, afirmou o presidente, Francisco Olavo de Castro

O plano de ação do colegiado foi apresentado pelo assessor técnico da CNA, Rafael Ribeiro, e inclui a elaboração de uma proposta de identificação individual de bovinos, por meio de um Grupo Técnico de Rastreabilidade: “A ideia é criar esse GT e reunir certificadoras, empresas de tecnologia e universidades para discussão de uma proposta de rastreabilidade e envio para o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) validar e publicar”, disse Rafael.

 

Outra ação prioritária é a retomada das discussões da proposta de Instrução Normativa de classificação e tipificação de carcaça de bovinos. De acordo com o presidente da Comissão, o debate sobre o tema se estende desde 2016, quando um Grupo de Trabalho foi criado: “Esse é um assunto de extrema importância para o setor e todos os envolvidos precisam estar de acordo. Ainda não temos uma rotulagem padronizada no Brasil e precisamos dela para agregar valor ao produto”, explicou Francisco.

A sustentabilidade da pecuária de corte brasileira também é um dos temas do plano de ação da Comissão Nacional. Dentre os objetivos estão o levantamento e divulgação de dados sobre a sustentabilidade da cadeia produtiva. Durante a reunião foi discutida ainda a criação de um indicador de preços do boi gordo. O diretor de Informações Agropecuárias e Políticas Agrícolas da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Sérgio De Zen, apresentou um modelo de indicador. Os representantes da Comissão contribuíram com sugestões.

Para Francisco, o índice vai servir como um balizador, uma referência de preços dos animais: “O setor precisa de um método de formação de preços de caráter voluntário, mas que ajude o pecuarista no momento da venda”, destacou.

(Débora Damasceno/Sou Agro com CNA)

 

(Foto: reprodução internet)

 

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.