Nova ligação entre portos do Paraná e Chile pode reduzir preço do frete em 30%

Compartilhar

#souagro| Quando se fala em redução no preço do frete trata-se de um assunto positivo para a cadeia produtiva. E é justamente este assunto que será debatido durante o Films, o Fórum Internacional de Logística Multimodal Sustentável de 11 a 14 de maio, em Foz do Iguaçu.

O Corredor Bioceânico Multimodal de Capricórnio, ligando os portos de Paranaguá a Antofagasta no Chile, poderá reduzir em 30% o preço de frete dos produtos brasileiros destinados à Costa Asiática. A conexão entre os oceanos Atlântico e Pacífico, passando por Brasil, Paraguai, Argentina e Chile, diminuirá em mais de dez mil quilômetros o percurso marítimo de cargas destinadas a países asiáticos e africanos. O corredor ligando os quatro países, usando os mais diferentes modais, é debatido há pelo menos 20 anos.

O projeto foi apresentado nesta semana na Acic (Associação Comercial e Industrial de Cascavel) pelo presidente da Acifi, Danilo Vendruscolo, e por Márcio Fernandes e João Arthur Morh, especialistas no tema.  Técnicos brasileiros analisaram, diante disso, a possibilidade de dez corredores estratégicos ao País, e o de Capricórnio é considerado o mais viável técnica, econômica e ambientalmente. Para viabilizar o corredor, serão necessários 4.760 quilômetros de ferrovias, 4.183 de rodovias, 2.800 de rotas aquaviárias, 1 esclusa, 17 terminais multimodais e 4 centros integrados.

 

A parte ferroviária brasileira no projeto é a Nova Ferroeste, com extensão de 1.304 quilômetros entre Paranaguá e Maracaju, no interior do Mato Grosso do Sul. Alguns dos atratativos para os investidores, em um projeto global que deverá chegar aos US$ 9,5 bilhões, estão redução do frete, diminuição de distâncias e de tempo entre destinos, além de navegação por áreas oceânicas mais seguras às embarcações: “Com a Nova Ferroeste, o tempo de percurso de um contêiner entre Cascavel e o Porto de Paranaguá reduzirá dos atuais quatro dias para 20 horas”, lembrou João Arthur, dizendo que a licitação em bolsa deverá ocorrer ainda no segundo semestre. Questões rodoviárias, pedágio e modelagem também estarão em debate, em maio, no Films.

O Fórum

O Fórum, em Foz do Iguaçu, vai contar com a participação de embaixadores e técnicos em temas estruturais e de modais de transporte dos quatro países. Assuntos ligados a ferrovias, rodovias, portos e infraestrutura vão ganhar painéis específicos. “O evento começará no dia 11 de maio e não terá data para terminar. Serão criados seis grupos de trabalho que passarão a se reunir regularmente para a realização de todas as etapas necessárias”.

 

Esse é um evento para o Paraná e para os interesses de todos nós, sul-americanos, destacou o vice-presidente da Acic para Assuntos do Agronegócio e presidente da Coopavel, Dilvo Grolli. Para o presidente da associação comercial, Genesio Pegoraro, esses são assuntos estratégicos e que interessam muito a região e os seus líderes. “No Films, vamos discutir a visão do hub multimodal como potencial solução para as dificuldades de logística do Cone Sul”, complementou Danilo Vendruscolo.

(Débora Damasceno/Sou Agro com Assessoria Acic)

 

(Fotos: reprodução internet e assessoria Acic)

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.