Cigarrinha do milho: produtores do Oeste paranaense mantém preocupação com a praga

Compartilhar

#souagro| A cigarrinha do milho não deixa os produtores tranquilos. A praga que está cada vez mais recorrente nas lavouras gera cada vez mais preocupação por conta das perdas que ela causa na lavoura.

Inclusive falamos aqui no Sou Agro que no período de entressafra o produtor pode utilizar algumas medidas contra a cigarrinha, mas mesmo assim há riscos. Justamente por isso que os agricultores estão se encontrando para debater medidas que possam diminuir a destruição causada pela praga.

 

Em Toledo, Oeste do Paraná, técnicos de órgãos públicos e de cooperativas e representantes de várias cadeias produtivas do agro local participaram de um encontro para falar sobre o assunto. Seguindo recomendações da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), os produtores devem, entre outros procedimentos, eliminar plantas voluntárias de milho (grãos remanescentes de safras anteriores) e grãos híbridos tolerantes à infestação, fazer o monitoramento da “cigarrinha” e fazer o tratamento das sementes.

cigarrinha

A realização deste manejo faz parte de um campanha promovida pelo Conselho Municipal de Desenvolvimento do Agronegócio de Toledo (CMDAT), pela Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar), pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), pela Embrapa/Milho e Sorgo, e pelo Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (IDR-PR). A AEA e a Secretaria do Agronegócio, de Inovação, Turismo e Desenvolvimento Econômico (AgroDesenvolvimento) apoiam a iniciativa.

O presidente do CMDAT e diretor de Desenvolvimento Agropecuário e Abastecimento da AgroDesenvolvimento, João Luis Nogueira, observa que a realidade local do agro requer atenção total ao assunto. “O Paraná previa uma safra de 16 milhões de toneladas de milho, mas agora a estimativa foi revisada para 15,5 milhões. Essas 500 mil toneladas a menos não se deve a uma seca ou outra intempérie climática, mas, sim, à ‘cigarrinha’. Considerando que boa parte da nossa produção é exportada, esse volume pode vir a fazer falta para a produção de proteína animal, que certamente terá que pagar mais para comprar o grão que alimentará, por exemplo, suínos e aves. Na ponta, o consumidor acabará pagando mais para consumir todos os produtos que dependem de alguma maneira deste cereal”, analisa.

João observa que é fundamental que os produtores tenham acesso às informações relacionadas ao manejo que previne ou reduz os efeitos desta praga. “É importante que eles entendam a importância de evitar a ‘cigarrinha’ em suas lavouras de milho. Nosso estado tem registrado incidentes deste inseto desde 2019 e a situação tem piorado a cada ano e, nesta última safra, algumas propriedades tiveram perdas de até 30%. O momento de intervir é agora e vamos seguir este diálogo com os produtores nas próximas semanas, seja na forma de visitas presenciais ou por materiais a serem divulgados na internet a tempo de evitar que a ‘cigarrinha’ interfira na próxima colheita, programada para janeiro do ano que vem”, comenta.

(Débora Damasceno/Sou Agro com Prefeitura de Toledo)

(Foto: Prefeitura de Toledo)

 

Compartilhe em suas redes sociais:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.