ESPECIAIS

Dois frigoríficos são interditados no RS

Compartilhar

#souagro| Dois frigoríficos foram interditados no Rio Grande do Sul. Em operação conjunta de fiscalização realizada pelo MP/RS (Ministério Público do Rio Grande do Sul), Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento), Secretaria Estadual da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural e Fundação Estadual de Proteção Ambiental Henrique Luis Roessler (Fepam/RS), na manhã desta quarta-feira, (17), dois frigoríficos, do mesmo proprietário, foram interditados nos municípios de Encruzilhada do Sul e Caçapava do Sul.

Entre outros problemas investigados, como desobediência à legislação ambiental e às normas sanitárias, a operação foi desencadeada a partir da informação de que os dois frigoríficos praticavam intimidação de veterinários e de responsáveis pela fiscalização.

 

O frigorífico localizado em Caçapava do Sul, que possui selo de inspeção federal, estava realizando a intimidação de fiscais do Mapa, inviabilizando o trabalho no local. Depois de um período de interdição, o frigorífico voltou às atividades nesta quarta-feira, e já apresentou irregularidades, principalmente, com péssimas condições sanitárias. O órgão federal decretou a reinterdição do local pelo descumprimento às normas sanitárias. Já a Fepam emitiu auto de infração pelo não cumprimento de exigências ambientais anteriores. O frigorífico ficará com suas atividades suspensas até que as adequações solicitadas pelo Mapa sejam realizadas.

No frigorífico de Encruzilhada do Sul, além da intimidação do veterinário do município, a colocação dos selos de inspeção estadual nas carnes estava incompleta. Os selos presentes nas carnes poderiam ser facilmente violados. O termo de interdição foi lavrado pela Fepam, por desobediência à legislação ambiental. As atividades do frigorífico estão suspensas até a comprovação da regularização.

 

Entre as irregularidades constatadas, havia dois pontos clandestinos de lançamentos de efluentes em um curso hídrico, além de excrementos, resíduos de abate de animais e resquícios de sangue em local inadequado.

Pelo MPRS, a Operação Frigos foi conduzida pelos promotores de Justiça Alcindo Luz Bastos da Silva Filho e Mauro Rockenbach, servidores da Promotoria de Justiça Especializada Criminal de Porto Alegre e do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) – Segurança Alimentar.

(Tatiane Bertolino/Sou Agro – com Ministério Público)

Foto: MP

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.