Aftosa na Austrália: saiba se há risco para o rebanho do Brasil

Compartilhar

#souagro| Há registro de bovinos com febre aftosa na Austrália e a grande questão é se, a partir destes casos, existe algum risco para que a doença entre em território brasileiro, considerando que o País tem sete estados com certificação de livre de febre aftosa sem vacinação, inclusive o Paraná.

São cerca de 230 mil bovinos com a doença em Bali, na Indonésia, e por isso a Austrália está em alerta. Uma carta do Ministério da Agricultura da Indonésia confirmou a entrada da febre aftosa em Bali na sexta-feira, com testes confirmando que 63 vacas foram infectadas em três locais ao redor de Bali.

Os animais infectados estão espalhados por 22 províncias da Indonésia, desde que o surto foi relatado pela primeira vez em maio.

 

“A Austrália está em alerta porque a Indonésia é um local de muitos turistas e o risco é de que um turista possa carregar o vírus por ali. É um local onde o agro é muito forte”, explica a médica veterinária da Adapar (Agência de Defesa Agropecuária do Paraná) de Cascavel, Luciana Monteiro.

Segundo a veterinária, o surto de febre aftosa na Austrália traz dois lados. Um deles é o benéfico para o Brasil, já que o País pode ganhar mais mercado com o comércio da carne australiana bloqueado. “Com o controle sanitário que nós temos, com Estado livre de febre aftosa, é claro que favorece o nosso mercado. É importante que tenhamos essa caracterização de área livre de febre aftosa porque significa que não temos circulação viral. Ao passo que nosso rebanho também não tem proteção imunológica para a doença, então é preciso ter atenção porque temos muitos brasileiros que vão para estes países comprometidos”, analisa.

 

O contágio pode ocorrer por contato direto com animais infectados ou por meio de pessoas e de animais que tenham se tornado vetores móveis depois de contato com os contaminados. Em caso muito raro, a transmissão de febre aftosa ocorre pelo ar.

 

Quanto à entrada de animais daquela região, a especialista tranquiliza que a importação é pequena. “Somos grandes exportadores de animais,  e não importadores, então, acredito que não seria por essa via que o vírus entraria no Brasil. O ingresso de pessoas no país é que leva às agências de defesa a terem mais rigor com relação a este retorno”.

(Tatiane Bertolino/Sou Agro)

 

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.