ESPECIAIS

Produtores recebem incentivo para plantio de alho no Paraná

Compartilhar

#souagro | Um projeto para a retomada de plantio de alho no Paraná, é firmado entre o Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (IDR-PR) e a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Hortaliças-DF). A proposta é para que os produtores plantem duas variedades de alho. Serão formadas áreas de cultivo, repassando aos produtores familiares a tecnologia de produção. O projeto terá dois anos de duração e prevê beneficiar produtores das regiões de Santo Antônio da Platina e Ivaiporã.

Também sejam instalados os viveiros telados, que evitam a entrada de insetos sugadores transmissores de viroses. A produtividade das lavouras de alho pode ser reduzida pela metade quando os plantios são atacados por viroses. No Paraná a oferta de alho semente de qualidade, com resistência a vírus, é reduzida.  Soma-se a essa limitação, o alto custo das sementes, o que inviabiliza o cultivo para produtores familiares.

 

 

O projeto de produção de alho semente livre de viroses é direcionado a produtores familiares que, em breve, terão semente de qualidade para seus plantios ou para a venda a outros produtores.  De acordo com João Reis, coordenador estadual de Olericultura do IDR-Paraná, com esse projeto vai ser possível retomar o plantio de alho no Estado. “O custo do alho semente é muito alto, praticamente impossível para o pequeno produtor. Para cultivar um hectare com alho, o gasto seria em torno de R$ 200 mil”, informou.

Segundo Reis, a falta de condições para investir neste insumo, tem levado muitos produtores a cultivarem alho com sementes adquiridas no comércio, em supermercados, com prejuízos, já que eles não conseguem qualidade, nem produtividade. Além de essas sementes não repetirem o mesmo padrão ao serem plantadas, elas são seriamente atacadas por viroses.

Paulo Lizarelli, engenheiro agrônomo do IDR-Paraná de Ivaiporã é o articulador da implantação do trabalho na região. Ele informou que está prevista a construção de duas unidades demonstrativas de variedades, além da capacitação de técnicos e produtores.  Inicialmente foram selecionadas três propriedades, em Quatiguá e Cândido de Abreu, para iniciarem as atividades. Lizarelli, disse que a Embrapa Hortaliças cedeu alho semente para a implantação das áreas, até a instalação dos viveiros para a produção local.

Ele acrescentou que a produtividade das lavouras pode dobrar somente com o uso dessa tecnologia. As áreas selecionadas são certificadas para a produção orgânica pelo Tecpar e são acompanhadas pelo Núcleo do Paraná Mais Orgânico do Vale do Ivaí, sob coordenação do IDR-Paraná.  Em Cândido de Abreu são duas áreas de cultivo.  Janete Gaça plantou 600 metros quadrados e Roseley Krepel outros 400 metros quadrados. Ambas as produtoras são associadas à Cooperativa de Agricultores Familiares de Cândido de Abreu (Coopercandi). Em Quatiguá a área pertence a Valter Bordignon, no bairro Ribeirão Bonito e totaliza 1000 metros quadrados.

 

 

 

O projeto

A previsão é que no próximo ano sejam instalados os viveiros telados, que evitam a entrada de insetos sugadores transmissores de viroses. A partir daí, 30% das sementes produzidas poderão ficar com o produtor e os 70% restantes serão repassados para outros agricultores, ampliando o cultivo.  A previsão é que em 2024 sejam instalados mais viveiros telados em outras regiões do estado.

Os produtores plantaram duas variedades de alho. O Ito é um alho nobre que forma uma cabeça com dentes graúdos e roxos.  A semente desta variedade precisa passar pelo processo de “vernalização”, isto é, tem que ficar um certo tempo a baixa temperatura para quebrar a dormência e estimular a germinação. A outra variedade plantada foi a Amarante, um alho comum, semi nobre que dispensa o período em câmara fria. Ambas as áreas cultivadas são irrigadas por um sistema de micro aspersão e serão acompanhadas pelos extensionistas do IDR-Paraná. Calcula-se que uma área de 100 metros quadrados produza 500 quilos de sementes que, por sua vez, podem gerar 5.000 quilos de sementes, o suficiente para o cultivo de dez hectares de alho.

João Reis destaca que o projeto faz com que o cultivo de alho seja acessível aos produtores familiares. Segundo ele, o produto tem alta demanda tanto no abastecimento de programas oficiais como o Merenda Escolar, como no mercado local. “Apesar de ser uma cultura que exige tecnologia, o alho pode ser uma alternativa de renda para o agricultor familiar”, concluiu.

As áreas escolhidas já estão servindo para capacitar produtores e técnicos. No fim de abril foram realizados treinamentos em Quatiguá e Cândido de Abreu com a presença de 69 pessoas. Na oportunidade os participantes conheceram detalhes de cada etapa do plantio, da seleção das sementes ao processo de irrigação.

 

(Ageiél Machado com IDR-Paraná)

 

 

(Foto: IDR-PR)

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.