ESPECIAIS

Tarifa Rural Noturna continua ou acaba? Descubra

Compartilhar

 

#souagro | O setor produtivo tem suscitado diversas dúvidas com relação à Tarifa Rural Noturna no Paraná. A grande pergunta que não quer calar é: o subsídio será prorrogado por mais dois anos ou será encerrado de vez? Atrás de uma resposta, a equipe de reportagem do Portal Sou Agro conversou com vários interessados no assunto, entre os quais o Sindiavipar (Sindicato das Indústrias de Produtos Avícolas do Estado do Paraná) e o Governo do Paraná.

A Tarifa Rural Noturna foi instituída por meio da Lei Estadual 19.812/2019, como incentivo à produtividade no campo, mediante desconto de 60% na tarifa de energia elétrica utilizada para a produção entre 21h30 e 6h, voltada às unidades consumidoras do meio rural em conformidade com os critérios previstos pela legislação vigente. O consumo é limitado até 6.000 kWh/mês por unidade consumidora.

Hoje, são 11 mil produtores beneficiados pelo programa no Paraná, com unidade consumidora classificada como rural e atendida em baixa tensão (Tarifa B2) convencional ou classificada como cooperativa de eletrificação rural com disjuntores menor/igual a duzentos amperes. Os beneficiados custeiam integralmente o sistema de medição e adequações necessários para a utilização dos serviços.

Na avicultura há 36 anos, Alvaro José Baccin considera a permanência deste auxílio indispensável para garantir o fôlego da atividade em diversas propriedades. “Sou do tempo que a energia na propriedade rural era só para acender uma luz. Hoje, a realidade mudou e dependemos muito desse recurso para produzir com qualidade e segurança”, comenta o avicultor. Em sua propriedade no distrito de São Salvador, os seis galpões são responsáveis por abriga 200 mil aves.

Baccin relata a existência de um padrão de energia inserido no programa. Tentou cadastrar outro, mas não obteve o mesmo subsídio. Segundo ele, o Governo do Paraná justifica o fim do benefício agora, no dia 31 de dezembro de 2022, condicionando a oportunidade de fazer parte de um outro programa, de energia renovável, por meio do financiamento de placas fotovoltaicas a juros também subsidiados. “O problema é que muitos produtores não puderam usufruir desse incentivo, por falta de crédito por parte das instituições financeiras”, comenta o avicultor. “Por isso, a necessidade de prorrogar por mais alguns anos a Tarifa Rural Noturna”, entende.

A avicultura não sobrevive sem energia elétrica. Os galpões precisam ser ventilados para controlar o estresse das aves e de forma a evitar a mortandade. O mesmo, ocorre na piscicultura, que costume utilizar a energia no período noturno.

O avicultor aponta essa questão da energia elétrica noturna rural como apenas um apêndice dos problemas enfrentados. “A oscilação de energia no interior é outro gargalo carente de uma resposta, pois as perdas na avicultura e em outras atividades têm sido corriqueiras”, salienta Baccin. Ele defende uma mudança na legislação para atender as reais necessidades das cadeias produtivas, hoje muito mais evoluídas. Hoje, a energia elétrica responde por um terço do custo de produção na avicultura e na piscicultura, chega a ser 70%.

 

O QUE DIZ ORTIGARA

O Portal Sou Agro conversou com o secretário da Agricultura e Abastecimento do Paraná, Norberto Ortigara, em busca de respostas de como o governo tem lidado com essa questão envolvendo a Tarifa Rural Noturna, disponibilizada pela Copel (Companhia Paranaense de Energia). “O que temos de concreto, é que a lei fixou a data de 31 de dezembro de 2022, para que o governo encerre a subvenção da tarifa rural noturna. Enquanto isso não acontece, o governo decidiu bancar integralmente os juros dos financiamentos rurais, pelo crédito rural, até o limite de R$ 500 mil para a geração de energia solar e de até R$ 1,5 milhão para a produção do biogás ou energia a partir da produção de biometano”, explica o secretário estadual. “Fora isso, tudo não passa de mera especulação”, emenda.

Norberto Ortigara confirmou o pedido feito pelo presidente do Sindiavipar, Irineo da Costa Rodrigues, do pleito para prorrogar o benefício por mais dois anos. “Mas provavelmente, por conta do aperto fiscal, o governo não fará nenhum movimento reabrindo essa possibilidade, pois damos dois anos de prazo para fazer essa migração”.

A energia de qualidade é importante para o setor produtivo, entende o secretário estadual, na produção de leite, peixe, suíno, aves, tabacos, entre outras atividades. “Mas é uma conta em aberto para o Governo do Paraná e não sei se haverá ambiente político para essa prorrogação”.

 

SINDIAVIPAR QUER PRORROGAÇÃO

O presidente do Sindiavipar, Irineo da Costa Rodrigues, também respondeu aos questionamentos feitos pelo Sou Agro. “Em alguns casos, o fim do subsídio vai reduzir enormemente o ganho dos avicultores. Mas vamos lembrar que não são todos que têm acesso a esse benefício, pois é limitado até um certo volume de consumo”, comenta. “Ou seja, o avicultor que expandiu os negócios, já está arcando com praticamente 100% de toda essa energia há muito tempo”.

O fim da tarifa rural noturna não inviabilizará a atividade, mas reduzirá a margem de lucro, na ótica do presidente do Sindiavipar. “Esse cenário deverá desestimular a modernização dos aviários, galpões e demais estruturas, daqueles avicultores dependentes do subsídio”. O aumento dos custos de produção é algo certo, a partir do fim da tarifa rural noturna, entende ele.

Irineo da Costa Rodrigues disse que tem participado de audiências com o secretário estadual Norberto Ortigara e com os deputados estaduais, reivindicando a prorrogação do benefício por mais dois anos, até que a cadeia produtiva tenha acesso à geração de energia alternativa.

(Vandré Dubiela/Sou Agro)

 

Foto: CNA/Divulgação

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.