Resultados dos estudos sobre a Ferrugem Asiática

Compartilhar

O programa Monitora Ferrugem RS, desenvolvido em sua terceira safra, chegou ao fim em abril de 2022. Semanalmente foram disponibilizadas informações sobre a ocorrência de esporos de Phakopsora pachyrhizi e o prognóstico climático de risco de ocorrência da doença. Os esporos são estruturas de germinação do fungo que, em condições climáticas adequadas, se desenvolvem gerando o desenvolvimento da Ferrugem Asiática em plantas de soja.

Na safra 2021/2022, em cooperação com 13 entidades de pesquisa e ensino, o Programa de Monitoramento da Ferrugem Asiática da Soja coordenado pela Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr) e Emater/RS-Ascar, coletou informações em 48 municípios do Rio Grande do Sul, com 51 coletores, ante os 24 coletores da safra anterior. Segundo o fiscal agropecuário e um dos coordenadores do Programa, Ricardo Augusto Felicetti, o trabalho desenvolvido no Monitora Ferrugem RS permite de maneira inovadora a congregação entre entidades técnicas no enfrentamento à Ferrugem Asiática da Soja, possibilitando ótimos prognósticos para o programa e para a sojicultora do Rio Grande do Sul.

 

O Monitora Ferrugem RS integra as informações obtidas no monitoramento de esporos de Phakopsora pachyrhizi com informações de risco climático, geradas pelo Sistema de Modelagem Numérica de Tempo e de Clima Regional (Simagro-RS), estas servindo para o desenvolvimento de políticas para o setor agropecuário, além de acompanhar o comportamento das variedades de soja plantadas no RS para identificação de eventuais perdas de resistência, além de subsidiar a pesquisa agropecuária sobre o manejo da doença. De acordo com o extensionista rural, coordenador da Área de Culturas e de Defesa Sanitária Vegetal da Emater/RS-Ascar e um dos coordenadores do Programa, Elder Dal Prá, o programa disponibiliza uma ferramenta de suporte ao manejo da Ferrugem Asiática da Soja no Rio Grande do Sul, fornecendo o embasamento necessário para a identificação do momento inicial da aplicação de fungicidas, contribuindo para a racionalização do uso de fungicidas.

Para a responsável técnica do Laboratório de Fitopatologia da Seapdr e também coordenadora do Programa, Andréia Mara Rotta de Oliveira, o Programa Monitora Ferrugem RS tem como estratégia metodológica a detecção da presença de esporos associada às condições meteorológicas, para gerar mapas indicativos de predisposição da ocorrência da Ferrugem Asiática e auxiliar técnicos e produtores, na tomada de decisão e adoção de medidas de manejo da doença. “O monitoramento do fungo contribui para o manejo mais eficiente da doença, reduz o risco de seleção de populações do fungo resistentes aos fungicidas e ameniza o impacto ambiental”, explica.

 

 

Resultados

Segundo Dal Prá, de forma generalista, a safra 2021-2022 se caracterizou pela presença constante de esporos no território gaúcho, em menores quantidades no início do período de desenvolvimento da soja, predominando nas regiões Oeste e Norte, com elevação a partir do avanço nos estádios de desenvolvimento da soja, atingindo todas as regiões produtoras do Estado. Os relatos da ocorrência de doença no campo se deram a partir de março de 2022, ocorrência esta tardia em função da estiagem que aconteceu no Estado.

Felicetti conclui que este comportamento epidemiológico é esperado, uma vez que à medida que as plantas de soja se desenvolvem nas lavouras, o parasita fúngico desenvolve-se concomitantemente, disseminando os esporos captados pelos coletores principalmente pelas correntes de ar. Este fato evidencia o desafio fitossanitário envolvido no manejo epidemiológico da Ferrugem Asiática da Soja.

“Novas estratégias de controle espacial, envolvendo a cooperação de entidades ligadas à sojicultura, produtores e órgãos oficiais, devem ser desenvolvidas para a contenção do desenvolvimento da doença em nível territorial, o que pôde ser evidenciado nos acompanhamentos do Monitora Ferrugem RS. Mais do que um alerta de risco e monitoramento, o Programa Monitora Ferrugem RS possibilita uma ferramenta técnica para o enfrentamento da resistência de Phakopsora pachyrhizi aos ingredientes ativos de controle, eficácia de medidas de manejo e diminuição das perdas ao produtor”.

 

(Fonte e foto: Emater RS)

Compartilhe em suas redes sociais:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.