PÓS-GEADA: Qual o rumo para o mercado de milho?  

Compartilhar

 

#souagro | A pergunta que não quer calar no mundo agro é a seguinte: para onde vai o mercado de milho? Todos os prognósticos do momento não passam de mera especulação e estimativa. Ainda é muito precoce qualquer análise mais precisa, mas o que se sabe até então, é que a saca do milho já subiu 17% do fim do mês passado (antes da geada) até hoje.

A valorização da commodity, na B3, a bolsa de valores brasileira, é atribuída a geada que atingiu boa parte das regiões produtores do País e por conta disso, a estimativa de redução da qualidade do grão, principalmente na região Sul. A demanda aquecida também é outro fator responsável pela alta dos preços da saca do milho.

O analista de mercado da Granoeste, Camilo Motter, disse nesta segunda-feira (05), em entrevista ao jornalista do Portal Sou Agro, Vandré Dubiela, que a saca do milho oscilou entre R$ 95 e R$ 97 hoje. “Esses valores relativos ao mercado de lotes e não ao preço de balcão”, salienta. Motter não descarta a possibilidade do milho voltar aos patamares de R$ 100, apesar de considerar muito cedo para dar a certeza de confirmação dessa informação. “O produtor está com os dois olhos no campo e um no mercado”, sintetiza.

Enquanto não se estabelecer um parâmetro real de negociação, não há como saber o rumo que o grão tomará. Números preliminares dão conta de que a onda de geada registrada no Paraná afetou ao menos 70% das áreas suscetíveis. “Para onde vai o mercado? Tudo é ‘chutômetro’, pois não há uma base real de direcionamento”, comenta Camilo Motter.

 

Panorama mudou

O que se sabe é que o mercado agora é outro, a partir dos reflexos provocados pelas geadas. “O mercado vinha se ajustando para uma realidade de quebra na safra por conta da escassez hídrica, porém, com uma produção suficiente para atender o mercado interno. “Agora, depois dessas geadas, o panorama é outro, com o Brasil obrigado a importar o insumo para suprir a carência de algumas regiões”, explica. Para Motter, haverá uma redução do consumo do grão e escalas de alojamentos mais alongadas, principalmente nas cadeias de suínos e aves.

O cenário indica ainda uma redução do volume de exportação de grãos. Hoje, o Brasil exporta 30 milhões de toneladas. Países exportadores como os Estados Unidos (60 milhões de toneladas), Argentina (35 milhões de toneladas) e Ucrânia (30 milhões de tonelada), vão sentir mais a pressão.

 (Vandré Dubiela/Sou Agro)

 

Foto: Almir Trevisan

 

Compartilhe em suas redes sociais:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.