Importar milho já passa a ser mais vantajoso

Compartilhar

 

#souagro | Com a cotação da saca do milho seguindo firme e em ascensão no Brasil, a importação do grão, mais especificamente da Argentina, já começa a ser o caminho seguido pelos produtores ávidos pela commodity para suprir a carência da cadeia alimentar dos animais. Como antecipado em reportagem veiculada no dia 20 de julho pelo Portal Sou Agro, a saca do milho já supera a cifra de R$ 100, com relação ao mercado de lotes disponíveis. Sobre os preços de balcão, o valor é um pouco abaixo, mas também em franca ascensão. Na Argentina, a saca está cotada a R$ 91.

Esse movimento dos preços estimula as operações de importação. Os contratos começaram a ser convertidos para o mercado interno, conhecido como wash out. O produtor com contrato para exportação em julho e agosto tem uma cotação menor do que o comprador oferece no mercado interno. Deste modo, a oferta é direcionada para o mercado interno, que está remunerando melhor. O cenário tende a reduzir as exportações, apesar de muitos produtores brasileiros terem de cumprir os contratos e enviar milho para fora.

O milho negociado na B3 registra mais um dia de alta. Por volta de 13h05 (horário de Brasília), subiu 1,46% para chegar aos R$ 98,49 por saca, enquanto o janeiro/22 já voltou aos R$ 100,21. Essa é a terceira sessão de alta consecutiva na semana. Mesmo com a baixa do dólar de 0,11% levando a moeda americana para R$ 5,23, o efeito não foi absorvido sobremaneira no mercado futuro brasileiro.

(Vandré Dubiela/Sou Agro, com agências)

Compartilhe em suas redes sociais:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.