Goiaba paranaense gera receita de R$ 70 milhões

Compartilhar

Números preliminares do Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento, relativos a 2020, apontam para um crescimento de 6% na produção e 4% na área de goiaba no Estado no ano passado. A análise é um dos assuntos do Boletim de Conjuntura Agropecuária da semana de 16 a 21 de julho, elaborado pelos técnicos do Deral.

O município de Carlópolis, no Norte Pioneiro, é o principal produtor. No ranking nacional, a cidade é a 4º colocada, num universo de 893 municípios com a exploração comercial da fruta, considerando sua parcela de 6,5% do VBP, 3,4% da produção e 2,7% da área brasileira, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2019.

Os números consolidados, de 2019, mostram que o Paraná produziu 35,4 mil toneladas de goiabas em uma área de 1,3 mil hectares, gerando um Valor Bruto da Produção (VBP) de R$ 70 milhões.

O boletim aborda também os índices de comercialização da fruta no Paraná e em outros estados. Em 2020, nas cinco unidades das Ceasas no Paraná, foram comercializadas 2,2 mil toneladas de goiaba, somando R$ 9,9 milhões. Do total, 80,3% eram do Paraná e 18,9% de São Paulo. Carlópolis foi o principal fornecedor, com 1,2 mil toneladas e participação de 55 % no volume.

A presença da goiaba de Carlópolis nas cestas de frutas do País mostra a qualidade do produto. A fruta paranaense já possui registro de Indicação Geográfica (IG) junto ao Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (Inpi) e, em 2019, conquistou a certificação Good Agricultural Practices (GAP), que reconhece a segurança alimentar e sustentabilidade em produtos de origem agrícola.

Na Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp), das 10,4 mil toneladas de goiaba comercializadas em 2020, o município paranaense foi o 5º principal ofertante, com 626,5 toneladas – 6 % do total. Também no ano passado, na CeasaMinas, em Belo Horizonte, a goiaba de Carlópolis foi a 6ª em volume comercializado, com 359,6 toneladas das 5,6 mil toneladas anuais.

Na Central do Distrito Federal, em Brasília, no 3º posicionamento, as 62,4 toneladas provenientes de Carlópolis conferiram 1,5% no volume de 4,1 mil toneladas. Em Goiânia, na Ceasa/GO, o município do norte pioneiro foi o 11º ofertante com 20,2 toneladas das 1,1 mil trocadas, e na Ceasa do Rio de Janeiro na 12ª posição com 8,8 toneladas e 0,9% das 992,9 toneladas negociadas.

GRÃOS – Entre os demais produtos abordados no boletim estão o feijão, que registra queda nos preços e retração nas principais praças de consumo do País; e o milho, cuja segunda safra paranaense avança para a fase final e intensifica a colheita na próxima semana. As exportações do Complexo Soja no Paraná no primeiro semestre de 2021 somaram 7,97 milhões de toneladas, com um volume financeiro de US$ 3,32 bilhões. Quanto ao trigo, o boletim analisa o reflexo das geadas nas lavouras.

MANDIOCA, BATATA E OLERICULTURA – Acredita-se que a maioria dos produtores de mandioca ainda vai concentrar os trabalhos no novo plantio da safra de 2021/22 em detrimento à colheita, como forma de reduzir a oferta de mandioca às indústrias, na expectativa de melhoria nos preços.

Com relação à segunda safra de batata no Paraná, das 319 mil toneladas estimadas, 266 mil (83%) toneladas foram comercializadas até o momento. Há também previsão de perdas na olericultura devido às geadas.

AVICULTURA, OVOS E LEITE – Os dados da avicultura analisados no documento do Deral mostram que, no Paraná, em junho de 2021, a alimentação das aves custou R$ 3,87/kg, resultado 3,7% menor em relação a maio, cujo valor foi de R$ 4,02/kg, representando 75% do total de gastos com a criação de frangos de corte. Destaca-se também a alta nas exportações brasileiras de ovos no primeiro semestre deste ano.

De acordo com dados levantados pelo Deral, o preço do litro do leite recebido pelos produtores tem se elevado. Na comparação com os valores levantados entre o mês de junho e a semana de 12 a 16 de julho, o valor do litro do produto subiu 7,3%, passando de R$ 2,06 para R$ 2,21.

FOTO: Jaelson Lucas

FONTE: AEN

Compartilhe em suas redes sociais:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.