ESPECIAIS

FRIO SEVERO = salada mais cara no prato do consumidor

Compartilhar

 

souagro | Poucos são os que sentem tanto os reflexos e os prejuízos ocasionados pelo frio severo como os produtores de hortaliças. O presidente da Ceasa-Paraná, Eder Eduardo Bublitz, fala da expectativa e das recomendações frente a grande massa polar em deslocamento e que promete frio intenso, comparado somente ao de 1950, bem maior que o registrado na década de 1970, quando a geada negra dizimou os cafezais paranaenses.

“Nossos produtores usam, principalmente nas atividades de hortifrúti e olericultura, muita tecnologia. Mesmo assim, é necessária a adoção de várias medidas para a proteção com relação ao frio”, salienta o presidente da Ceasa-Paraná. Até mesmo produtores adeptos à produção em estufas, podem sofrer perdas. A tecnologia é importante, mas não é sinônimo de proteção total em épocas de frio intenso.

Se esse frio intenso realmente se confirmar, o aumento nos preços das hortaliças, principalmente as foliosas, é certo, com os custos subindo ao consumidor entre 15% e 20%. “Agora, tudo está no campo das previsões. É preciso medir realmente os estragos que essas baixas temperaturas devem provocar e isso será possível a partir de segunda-feira”, salienta Eder Bublitz. “Em função da safra curta, o produtor paranaense não tem o hábito de contratar seguro para a produção, muito por conta do elevado custo”.

(Vandré Dubiela/Sou Agro)

 

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.