Por que a cigarrinha do milho é o terror desta safra?

Compartilhar

#souagro| Cigarrinha do milho, este é o assunto que não sai da cabeça dos produtores do grão. Depois de um longo período marcado pelas perdas causadas pela estiagem, agora a safra atual se recupera, mas também gera preocupação por conta da grande incidência de pragas.

Os agricultores relatam diversas falhas nas lavouras causadas pela cigarrinha. O portal Sou Agro foi em busca de respostas para entender as principais causas desse aumento na praga na safra atual. Juliano Scheeren, é engenheiro agrônomo e explicou exatamente o motivo dessa praga estar assombrando as propriedades além do comum.

ASSISTA A REPORTAGEM:

 

PROBLEMAS DA CIGARRINHA PARA O MILHO

Os enfezamentos do milho são causados por bactérias pertencentes à classe dos Mollicutes, que são transmitidas pela cigarrinha-do-milho. O espiroplasma causa o enfezamento pálido, enquanto o fitoplasma causa o enfezamento vermelho. As doenças são vasculares e sistêmicas: os mollicutes se concentram no floema da planta, estrutura responsável pela circulação da seiva elaborada (composta por nutrientes), obstruindo-o e causando desordens fisiológicas, nutricionais e bioquímicas nas plantas de milho.

Os sintomas das doenças são mais severos na fase de produção, polinização e formação dos grãos, quando o metabolismo da planta se intensifica. O momento exato da ocorrência vai depender da época em que a planta foi infectada, da cultivar de milho utilizada e das condições ambientais (em períodos mais quentes, o metabolismo da planta é mais intenso).

 

QUAIS SÃO AS CAUSAS DO AUMENTO DA CIGARRINHA NESTA SAFRA?

“Pegar nossa área de atuação, 25% do nosso plantio de milho foi até final de janeiro, começo de fevereiro. No mês de fevereiro a gente plantou mais de 60% do milho. E no mês de março, 15% do milho. A gente teve 45 dias de plantio de milho, isso pensando em cigarrinha é muito complicado porque eu vou ter plantas que já não estão tendo nenhuma entrada com inseticida que a cigarrinha vai estar ali dentro se procriando e eu vou ter milho que está escapando do percevejo. Então assim, fica muito difícil fazer esse controle. Porque a cigarrinha, o melhor método de controle é todo mundo estar controlando junto. Isso é um uma forma da gente entender o que está acontecendo nessa safra agora. Então o primeiro produtor sofreu que tinha o primeiro milho, o produtor do meio ali de plantio de fevereiro aparentemente foi um pouco mais tranquilo que a gente notou. Agora essas áreas de março aí de fechamento, está bem complicado porque  tem cigarrinha em tudo quanto é lado”, detalha Juliano.

 

ATÉ QUE FASE DO MILHO DEVO CONTROLAR A CIGARRINHA?

“A gente prefere falar assim: o produtor tem que controlar cigarrinha até enquanto ele vê cigarrinha na lavoura. Vamos dizer assim, eu tenho uma área de milho que está ali no V10 porque seria o padrão. Ah milho está batendo na altura do peito.  Só que eu entro na minha área e a minha área está tomada de cigarrinha. Não tem como eu abandonar essa área. Porque uma infecção de cigarrinha nessa fase do milho de 20 a 25 dias depois da infecção  o milho provavelmente vai me apresentar algum amoleste. Então assim, não tem como eu ter uma receita de bolo, falar assim, ah o milho X eu posso cuidar até tal fase, não, não tem.  A gente tem que entender que cada cultivar tem uma sensibilidade maior ou menor. Isso a gente tem que levar em conta na hora de fazer o controle”, explica Juliano.

COMO FAZER O COMBATE DA CIGARRINHA DO MILHO?

“Que produto eu uso pra controlar cigarrinha? Vamos pensar assim, hoje cigarrinha tem dois produtos que tem uma eficiência muito boa: o Acefato no inicia que a gente tem um controle muito bom no percevejo e  seria o Metomil de modo geral, que é o antigo Lannate, que todo produtor conhece. Então assim, a gente preconiza muito controlar percevejo com Acefato, no mínimo duas aplicações, mas se a gente tiver condição comercial e disponibilidade a gente faz até três aplicações iniciais com ele ou intercalando com Metomil e depois a gente parte pra cima do Metomil, sempre associando o óleo junto, ajuda muito na no controle da praga. Tem os biológicos, com certeza biológico hoje produtos a base de Balvério a base de a base de Zaria são muito interessantes no manejo, até se a gente for levar em consideração os nossos últimos 15, 20 dias que a gente está tendo temperatura mais amenas com dias nublados, tá um clima muito propício pro biológico. Agora o que eu não posso fazer é o seguinte, igual alguns produtores eles caem também nessa besteira. Fiz uma aplicação de biológico, só que eu estou com uma área do lado que está multiplicando praga e a minha área aqui está meio isolada, eu sou o único que está controlando, o único que está que está aplicando inseticida, não adianta eu colocar um biológico hoje e achar que ele vai resolver minha vida, que ele não vai resolver a minha vida. O ideal seria o quê? Faz o o biológico associado com o químico. Três, quatro dias depois se você tiver uma infestação alta, volta a fazer uma aplicação de química. Não adianta ficar preso, achar que o biológico vai ser a salvação, ele não vai”, finaliza Juliano.

(Débora Damasceno/Sou Agro)

 

Foto: Reprodução internet

 

Compartilhe em suas redes sociais:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.