Seca e frio elevam custo no campo e o preço do leite nas gôndolas

Compartilhar

 

#souagro | O brasileiro é apaixonado por leite, constituindo-se como um dos maiores consumidores do produto em nível mundial. A estimativa de consumo per capita é de 57 litros/ano ou 4,8 litros mês. Entretanto, será preciso pensar em alternativas para substituir o leite por outras bebidas quentes para enfrentar o frio, pelo menos nos próximos meses.

As geadas registradas nos últimos dias afetaram a já comprometida produção de silagem e os reflexos serão sentidos nas próximas duas semanas nas prateleiras dos supermercados e nas feiras. O litro do leite longa vida, hoje oscilando entre R$ 3,50 a R$ 4,20, deverá ter um acréscimo estimado em seu valor de pelo menos 20%.

Para José Manoel Mendonça, da B&M Consultoria, ainda é muito cedo para mensurar com precisão os estragos causados pelas geadas no Paraná, mas uma coisa é certa, o preço da saca do milho já subiu. “O mercado vinha em uma retração, com a saca chegando a R$ 75 e agora voltou para o patamar de R$ 98 para as próximas compras, esse é um dos reflexos imediatos dos efeitos gerados pelas intempéries climáticas”.

José Manoel comenta que muitos produtores já correram produzir silagem, pois caso isso não seja feita em até três dias após a ocorrência, a perda de qualidade é certa. “Já existe uma quebra natural ocasionada pela seca registrada nos últimos meses e a torcida era para que a geada não viesse de maneira tão intensa, e não foi o que aconteceu”, cita o consultor. “A geada foi tão forte que nem mesmo culturas de inverno, mais resistentes, como aveia, suportaram e sucumbiram”.

Essa silagem já deveria ter sido colhida no mês de maio, mas o atraso na época do plantio, ocasionado pelo reflexo no também atraso no plantio da soja, obrigou os produtores a esperar para colher a silagem. Em suma, agora o produtor terá pela frente o custo dos insumos mais alto e a produtividade baixa. Em relação à silagem, a alternativa seria de potencializar com nutrientes, mas o custo de produção elevaria em níveis ainda maiores.

(Vandré Dubiela/Sou Agro)

 

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.