Boletim do Deral traça panorama atualizado das lavouras do Paraná

Compartilhar

 

#souagro | O boletim agropecuário divulgado pelo Deral/Seab traça um panorama atualizado das lavouras paranaenses. A avaliação mostra os danos provocados nas áreas cafeeiras das regiões Norte-Central do Paraná. No Norte Pioneiro, onde há concentração maior da produção, as informações são de danos variados, entretanto, menos que as de outras regiões.

Já com relação ao feijão, o registro é de 100% das lavouras da segunda safra colhidas. Ao menos 82% da produção já foi comercializada, ou seja, 282 mil toneladas, restando 49 mil toneladas para futuros negócios. Os preços praticados em junho variam entre 5% e 10% a menos que no mês anterior.

O milho apresentou queda nas condições da lavoura na última semana em decorrência das geadas. Do total, 287 mil encontram-se em boa situação, enquanto 1,1 milhão com condição mediana e 1 milhão de hectares classificado como ruim.

O trigo apresenta queda de 6% no preço médio da tonelada em junho, comparativamente com maio e de 27% em relação ao mesmo mês no ano passado. Já sobre a soja, verificou-se queda de 1% no preço da saca de 60 quilos comparativamente com a semana anterior.

O documento preparado pelo Deral faz, ainda, uma análise sobre a goiaba, que é cultivada em 22,1 mil hectares no Brasil. Pela ordem, Pernambuco, São Paulo e Paraná são os principais produtores, responsáveis por 73,7% das colheitas. O Paraná teve, em 2019, 1,3 mil hectares plantados e colheu 35,4 mil toneladas, que renderam R$ 70 milhões.

Os produtores de mandioca dedicaram parte do tempo, nos últimos dias, para preparar as ramas que serão usadas no próximo plantio, além de protegê-las dos granizos e geadas. A colheita já ultrapassou 40% dos 143 mil hectares da safra 2020/21, mas vai se estender até dezembro. Da batata segunda safra já foram colhidos 8,3 mil hectares, ou 71% do total estimado.

O boletim registra, ainda, alta de 13% nos preços médios da arroba bovina nos primeiros seis meses do ano. A principal razão é a menor oferta de animais prontos para abate. Os cortes para o consumidor também apresentaram reajustes que chegaram a 22% no caso do peito.

Sobre a avicultura, a tônica está na exportação de carne de frango brasileiro, que cresceu 4,1% em termos de faturamento, entre janeiro e maio, e 4% em volume. O Paraná, maior produtor e exportador nacional, com participação de 41,1% nesse período, observou aumento de 6,5% no volume enviado ao exterior e de 1,3% no faturamento.

 

Compartilhe em suas redes sociais:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.