Crise hídrica avança do campo para a cidade

Compartilhar

 

#souagro | A preocupação com a estiagem é grande  tanto para lavouras de milho, trigo e feijão, bem como para as pastagens. E a luz de alerta não está piscando somente no campo. As cidades também já começam a sentir os efeitos da escassez hídrica, muitas delas já realizando rodízios para controlar o consumo, como é o caso da Região Metropolitana de Curitiba e do Sudoeste do Estado.

O diretor do Sindicato Rural de Cascavel, Engenheiro Agrônomo Paulo Vallini, informa que vários produtores que se dirigem até o sindicato rural têm reclamado da falta de chuvas em suas propriedades e consequentemente em suas lavouras. “Temos o milho, que vem sofrendo bastante, desde o plantio. As pastagens também enfrentam o mesmo problema, com uma situação bem degradante, pois faz muito tempo que não chove e não tem como recuperar. E o trigo, apesar de ser uma cultura mais resistente a períodos secos, neste processo inicial de desenvolvimento precisa de água para se desenvolver bem e gerar bom índices de produtividade no futuro”, avalia Vallini. Segundo ele, muitos agricultores têm semeado o milho em terras secas.

Os problemas avançam do campo para a área urbana. “Todos que puderem economizar água façam sua parte, pois é muito importante neste momento em que estamos vivendo. O que for feito neste momento é de suma importância para evitar problemas a curto prazo”, alerta Vallini, acrescentando que já há registros de nascentes e poços secando por conta da falta de chuvas, criando mais um problema para o produtor.

Estiagem resulta em silagem de baixo teor nutricional

Produtores rurais cada vez mais conectados

Já há informações que este é a maior crise hídrica dos últimos 50 anos no Paraná. Boa parte das cidades paranaenses estão em situação de emergência por conta da falta de chuvas, principalmente a Região Metropolitana de Curitiba e municípios do sudoeste do Paraná. Com baixa vazão dos reservatórios, o governo federal se vê obrigado a acionar as termoelétricas, fazendo também com que o custo da energia elétrica para o consumidor e ao homem do campo aumente ainda mais. Essa alta reflete no custo da produção da propriedade, já castigada pela falta do milho e do farelo de soja, insumos básicos para suprir a demanda da cadeia alimentar dos animais.

A Secretaria Estadual da Agricultura e Abastecimento alerta os produtores rurais a controlar o uso da água nas atividades agropecuárias. (Vandré Dubiela/Sou Agro)

 

Foto: Geraldo Bubniak/AEN

Compartilhe em suas redes sociais:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.