Cooperativas confirmam construção de maltaria no Paraná

Compartilhar

Seis cooperativas paranaenses se reuniram e projetam investir R$ 3 bilhões na construção de uma fábrica de malte em Ponta Grossa, nos Campos Gerais. O empreendimento, que conta com apoio do programa de incentivos do Governo do Estado, foi confirmado nesta segunda-feira (7), em reunião virtual entre os representantes das cooperativas com o governador Carlos Massa Ratinho Junior e a prefeita Elizabeth Schmidt.

A construção da Maltaria Campos Gerais inicia ainda neste ano e será feita em duas etapas. A previsão é que a primeira fase seja concluída até 2028 e a segunda parte dos investimentos finalize em 2032. A estimativa é que o empreendimento gere cerca de 3 mil empregos diretos e indiretos, além de beneficiar aproximadamente 12 mil cooperados das seis entidades.

O projeto de intercooperação reúne as cooperativas Agrária Agroindustrial (Guarapuava), Bom Jesus (Lapa), Capal (Arapoti), Castrolanda (Castro), Coopagrícola (Ponta Grossa) e a Frísia (Carambeí). Somadas, elas apresentaram um faturamento de R$ 16,4 bilhões em 2020. Na primeira etapa, a previsão é que a planta produza 240 toneladas de malte por ano, cerca de 15% do volume do consumo atual do País.

O governador Ratinho Junior comemorou o investimento e destacou o processo de agroindustrialização pelo qual passa o Paraná. “Esse empreendimento vai colocar o Estado em outro patamar, aproximando o Brasil de se tornar autossuficiente na produção de malte, hoje ainda muito dependente da importação”, disse. “Desde o início de nossa gestão incentivamos o setor do agronegócio a investir na industrialização, que fortalece o setor e agrega valor aos produtos paranaenses”.

“Com isso, o Estado vai dominar toda a cadeia cervejeira. Ponta Grossa já conta com duas grandes empresas do ramo, que também estão anunciando a ampliação das suas plantas. Já somos o principal produtor de cevada do País e seremos também grandes fornecedores da matéria-prima para a cerveja”, afirmou o governador. “Além do incentivo fiscal, o Estado investe na desburocratização e na melhoria da infraestrutura, o que facilita na atração de investimentos e na redução dos custos de produção”.

PONTA GROSSA – O diretor-presidente da Cooperativa Agrária, Jorge Karl, afirmou que a escolha por Ponta Grossa ocorreu após inúmeros estudos técnicos por parte das cooperativas envolvidas no projeto. Por fim, a planta será implantada em um terreno próximo à montadora de caminhões DAF. “A questão logística pesou bastante na viabilização do projeto, e Ponta Grossa é privilegiada nesse quesito”, disse.

Em contrapartida, o município, junto com o Estado e a concessionária da rodovia, devem viabilizar a construção de uma via marginal de mão dupla contígua à PR-151, em um trecho de cerca de 150 metros até o trevo de acesso à nova indústria.

“É um projeto bastante robusto, que vai refletir no desenvolvimento da cidade, já bastante industrializada. Além da geração de empregos, também vai gerar receita para nossos cooperados e produtores, o principal motivo para investirmos nesse empreendimento”, ressaltou Karl. “Estamos buscando a industrialização para agregar valor aos cooperados e dar sustentabilidade aos nossos negócios”, completou o diretor-presidente da Frísia, Renato Greidanus.

A prefeita Elizabeth Schmidt reforçou a parceria do Governo do Estado com o município para viabilizar um investimento privado desse porte na cidade. “Quando todos trabalham juntos, todos ganham”, salientou. “Ponta Grossa tem uma conexão com o setor cervejeiro e esse novo investimento consolida essa cadeia produtiva, com impacto na geração de emprego em toda a região dos Campos Gerais”.

CEVADA – Além do empreendimento em si, o investimento também reflete em toda a cadeia de produção. A área total destinada para o plantio da cevada, que é um dos principais insumos para a produção do malte, pode chegar a 100 mil hectares, alcançando outras regiões do Estado. É equivalente a quase toda a área de cevada cultivada atualmente no Brasil, que chegou a 103,4 mil hectares em 2020.

O Paraná é o principal produtor do grão no País, responsável por 72,4% de toda a produção nacional em 2020, volume que alcança 272 mil toneladas. De acordo com o Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento, as estimativas para safra 2020/2021 preveem uma colheita de 318.658 toneladas de cevada, volume 17% maior que da safra anterior. A área plantada em 2020 foi de 69,8 mil hectares, 9% superior à da safra 2019.

Ainda segundo o Deral, o Brasil ainda é muito dependente da cevada produzida em outros países, principalmente pela Argentina. Em 2019, o País importou 671 mil toneladas do grão, 62% de toda a demanda nacional. “Além de reduzir a necessidade de importação, o aumento na produção de cevada vai dar uma nova opção aos agricultores paranaenses, principalmente dos Campos Gerais e da região Centro-Sul”, salientou o secretário estadual da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara.

“Muitos deles optam por não plantar o milho safrinha, e cultivam pasto ou forragem. Ao produzir a cevada eles terão um bom desempenho na safra de inverno, com um alimento que irá direto para indústria, o que agrega valor, reduz os gastos com maquinário e apresenta uma boa opção de renda para os produtores”, ressaltou.

Fonte: AEN – Foto: Jonathan Campos/AEN

Compartilhe em suas redes sociais:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.