Colheita do feijão chega a 82% e produtividade da soja tem alta em 2021

Compartilhar

Com avanço dos trabalhos no campo em todas as regiões produtoras, nesta semana a colheita do feijão chegou a 82% dos 254 mil hectares cultivados no Paraná, e pode ser concluída nos próximos 10 dias. As informações estão no Boletim de Conjuntura Agropecuária, elaborado pelo Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento, referente à semana de 7 a 11 de junho.

À exceção dos últimos dias, quando as chuvas retornaram ao Estado, nas demais semanas o clima colaborou com a colheita, o que resultou em um produto de baixa umidade. Porém, a grande maioria do feijão produzido é de grãos miúdos e de valores mais baixos. Das lavouras que ainda serão colhidas, 49% apresentam condições ruins; 34% médias e apenas 17% boas. Quanto às fases, 10% se encontram em frutificação e 90% em maturação.

O último levantamento realizado pelos técnicos do Deral indica uma quebra de 38% sobre as 504 mil toneladas de feijão estimadas no início da safra 2020/21. Porém, devido à longa estiagem que afetou a cultura em março, abril e maio, as perdas foram significativas e o volume de produção ficou reduzido para 310 mil toneladas.

No período de 31 de maio a 4 de junho, os produtores receberam, em média, R$ 264,00 pela saca de 60 kg de feijão-cores – aumento de 1,4% com relação à semana anterior – e o feijão-preto foi comercializado por R$ 243,00, uma redução de 2,5%.

A queda nos preços pode ser explicada pela baixa qualidade do produto colhido, além da redução no consumo e da entrada de feijão da Argentina, que destina boa parte de sua produção para o mercado brasileiro.

Safra da soja – Foto: Gilson Abreu/AEN

 

SOJA, MILHO E TRIGO – Apesar dos problemas climáticos praticamente durante toda a safra, a produtividade da soja paranaense foi a terceira maior dos últimos dez anos. Segundo os técnicos de campo do Deral, os produtores colheram aproximadamente 3.540 kg por hectare na safra 2020/21, em média.

Com relação ao milho, as chuvas que ocorreram nos últimos dias ajudaram a estabilizar as condições das lavouras da segunda safra. O relatório do Deral aponta que, da área a colher, 22% se encontram em boas condições, enquanto 46% estão em condições medianas e 32% em condições ruins.

Sobre o trigo, o boletim destaca o IPCA de maio. Os derivados do cereal que compõem a pesquisa acumularam 7% de alta, abaixo da inflação total do período (8%). O pão francês, item com maior participação entre os derivados de trigo, teve alta anual de 6% na pesquisa do IBGE, número corroborado pela pesquisa de Varejo do Deral, que apontou 7% de alta deste pão no Paraná. Os reajustes abaixo da inflação apontam a dificuldade de repasse dos preços para o consumidor final, pois os preços no atacado tiveram valorizações maiores, acima de 20%.

 

PROTEÍNAS ANIMAIS – Os técnicos também analisaram os dados da Pesquisa Trimestral do Abate, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que mostrou queda nos abates de bovinos no Paraná comparativamente ao mesmo período do ano passado. Por outro lado, houve 10,6% de aumento na produção de carne suína no período. Com relação ao frango, o boletim do Deral aponta que, no primeiro quadrimestre, cresceu o volume exportado pelo Paraná (+6,8%).

 

OUTROS PRODUTOS – O documento traz ainda informações sobre a produção de batata no Paraná. O cultivo da segunda safra apresenta, para este ciclo, uma área estimada em torno de 12,2 mil hectares e volume estimado de 333 mil toneladas. A respeito da fruticultura, o destaque é a cultura da jaca. No ano passado, nas Ceasas do Paraná, foram comercializadas 94,7 toneladas da fruta, gerando R$ 290,3 mil em movimentação financeira.

Fonte: AEN – Foto: Gilson Abreu

Compartilhe em suas redes sociais:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.