ALERTA: Baixa adesão ameaça novo status sanitário

Compartilhar

 

#souagro | Restando apenas 17 dias para o fim do prazo para atualização cadastral do rebanho paranaense, o índice de regularização é considerado baixo e preocupa as autoridades sanitárias paranaenses. Diferentemente de 2020, quando houve duas etapas, neste ano o período único começou a ser contado em 1º de maio e termina em 30 de junho. Após isso, o trânsito não será possibilitado e o produtor poderá ser multado. A mais recente parcial que 48,3% do rebanho já foi cadastrado.

O presidente do Sindicato Rural Patronal de Cascavel, engenheiro agrônomo Paulo Orso, considera o baixo interesse do pecuarista em atualizar o rebanho “extremamente preocupante”. Segundo ele, o brasileiro costuma deixar tudo para a última hora, mas não se pode brincar com o status de sanidade agropecuária e colocar em jogo uma conquista de décadas, comemorada há poucos dias envolvendo a certificação da OIE (Organização Internacional das Epizootias) atestando o Paraná como Área Livre de Febre Aftosa Sem Vacinação.

 

VEJA A ENTREVISTA COM O PRESIDENTE DO SINDICATO RURAL DE CASCAVEL, PAULO ORSO:

 

“Conquistar foi um árduo trabalho, manter também é uma tarefa difícil porque a gente não conta mais com a vacina”, alerta o secretário da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara. Segundo ele, o Estado optou por não impor custo ao produtor com a colocação de brinco ou chip para identificar cada animal. “Apenas precisamos, como medida adequada do ponto de vista sanitário, saber quantos são e onde estão os animais”, disse. “É um ato a favor do negócio do criador”.

 

Confira como está a atualização cadastral por município no Estado

 

O presidente da Agência de Defesa Agropecuária, Otamir Cesar Martins, reforçou os benefícios que a atualização cadastral trará ao produtor. “Com as informações registradas temos melhores condições de agir rapidamente em eventuais casos de focos de qualquer doença, e não apenas a aftosa”, afirmou. “O nosso apelo é para que intensifiquem a declaração dos rebanhos nesta reta final da campanha”.

 

CONSEQUÊNCIAS AO PECUARISTA

A falta da atualização tem consequências para o produtor. Uma delas é o impedimento para emissão da Guia de Trânsito Animal (GTA), documento imprescindível para qualquer movimentação entre propriedades ou para abate em frigoríficos. Além disso, a legislação prevê autuação e pagamento de multa de uma Unidade Padrão Fiscal por cada animal. Em junho, o valor da UPF no Paraná é de R$ 113,54.

(Vandré Dubiela/Sou Agro, com AEN)

 

Foto: Arnaldo Alves/AEN

 

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.