Paraná alcança a liderança na produção de mel

Compartilhar

A pequena Ortigueira, nos Campos Gerais, está em festa e o motivo é a produção de mel. O bom desempenho do município de quase 22 mil habitantes foi essencial para fazer do Paraná o maior produtor de mel do País. Dados da Pesquisa Pecuária Municipal (PPM) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indicam que o Estado colheu 7.229 toneladas do produto em 2019, ultrapassando o vizinho Rio Grande do Sul (6.262 toneladas).

O resultado é 14,6% superior ao ano/safra 2018, quando a produção cravou 6.307 toneladas, e confirma a evolução recente da apicultura paranaense – a produção cresceu 15% nos últimos cinco anos pesquisados, partindo de 6.287 toneladas em 2015. É justamente o incremento na colheita de mel que marca a retomada da série “Paraná que alimenta o mundo”, conjunto de reportagens que pretende ressaltar o poderio do Estado no agronegócio – o material foi suspenso por algumas semanas em virtude da pandemia da Covid-19.

“Não existe mel igual ao de Ortigueira”, diz, sorridente, a apicultora Ana Mozuski Kutz, com a sabedoria de quem já passou 36 dos 65 anos de idade debruçada entre abelhas, favos e colmeias. Currículo que lhe garantiu um assento na diretoria da Apomel, cooperativa que reúne 123 produtores da região.

Produção de mel

Produção de mel Ortigueira – PR – Foto: Gilson Abreu/AEN

A qualidade do néctar de Ortigueira é atestada nacionalmente. A cidade recebeu em 2015 o registro do Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) por Dominação de Origem, o chamado Indicador Geográfico (IG). O selo é dado para produtos cuja região, por motivos naturais, tem influência no conteúdo final da mercadoria. “Eu não sei nem explicar. O gosto, a cor, o aspecto… tudo é diferente. Tanto que o mel que sai aqui da minha propriedade vai para muitos cantos do mundo, como França, Inglaterra, Estados Unidos e Emirados Árabes”, conta.

O néctar da dona Ana é essencial na engrenagem que faz de Ortigueira a maior produtora de mel do País. Segundo o IBGE, 3.919 municípios brasileiros apresentaram alguma produção de mel em 2019, somando 45.981 toneladas, com arrecadação de R$ 59,259 bilhões – R$ 7,215 bilhões saíram de sítios localizados no Paraná.

Sozinha, a cidade paranaense colaborou com 795,4 toneladas, seguida por Botucatu (São Paulo), Arapoti (Paraná), Itatinga (São Paulo) e Campo Alegre de Lourdes (Bahia). “Temos cerca de 2,2 mil caixas de abelhas (colmeias) em 70 apiários, muitos deles em áreas arrendadas. A produção média por ano é de 80 toneladas de mel”, revela.

Os néctares típicos da região, conta, são o capixingui, eucalipto, assa-peixe, gurucaia, aroeira, vassourinha, gabiroba e angico.

NACIONAL – Com Paraná e Rio Grande do Sul rivalizando pelo posto de maior produtor, os outros estados se acomodam nas demais posições do ranking do mel. O Piauí é o terceiro, com 5.024 toneladas, seguindo por São Paulo (4.527), Minas Gerais (4.227), Santa Catarina (4.081), Bahia (3.942), e Ceará (2.677).

Em relação às regiões, o Sul respondeu por 38,2% de todo o estoque de mel do País. Na sequência aparecem o Nordeste (33,4%), Sudeste (21,4%), Centro-Oeste (3,9%) e Norte (2,2%).

“O mel do Paraná se destaca pela qualidade e também pelo volume. É responsável por 15,7% das quase 46 mil toneladas produzidas no Brasil”, afirma o médico veterinário Roberto de Andrade Silva, técnico do Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento.

EXPORTAÇÃO – Mais da metade da produção nacional (50,5%), de acordo com o Agrostat Brasil, é voltada para o mercado externo. A sessão ligada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento reúne estatísticas do comércio exterior do agronegócio brasileiro.

Os Estados Unidos, com 74,6%, são o principal comprador do mel brasileiro. Alemanha, Austrália, Canadá e Bélgica aparecem na sequência. “O mel é diferenciado e agrada muito no exterior. O momento é bom, por isso quero ampliar minha produção, passando de 700 para mais de mil colmeias”, destaca o produtor Alexandro Roberto da Silva, há 30 anos no ramo.

SÉRIE – O mel de Ortigueira faz parte da série de reportagens “Paraná que alimenta o mundo”, desenvolvida pela Agência Estadual de Notícias (AEN) que busca mostrar o potencial do agronegócio paranaense. Os textos serão publicados sempre às segundas-feiras. A previsão é que o material se estenda durante todo o ano de 2021.

Fonte: AEN / Foto: Gilson Abreu

Compartilhe em suas redes sociais:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.