ESPECIAIS

Os desafios do mercado do feijão e a luta para elevar o consumo per capita

Compartilhar

 

#souagro | Uma das maiores sumidades do Brasil quando o assunto é feijão e pulses, o presidente do Ibrafe (Instituto Brasileiro de Feijão e Pulses), Marcelo Eduardo Lüders, falou com exclusividade ao Portal Sou Agro sobre o mercado do feijão e os principais desafios diante de gargalos existentes que precisam ser superados para potencializar a cultura no País. Os desafios do mercado do feijão e a luta para elevar o consumo per capita.

O cenário apresenta vários desafios interessantes, como o plano nacional a ser implementado. “É preciso parar de sonhar, planejar e executar as ações”. É preciso levantar o pulso direito e dar um viva a essa proteína tão importante no prato do brasileiro.

 

Acompanhe e entrevista completa concedida com exclusividade ao Portal Sou Agro pelo presidente do Ibrafe, Marcelo Eduardo Lüders:

 

Em relação ao momento vivenciado em torno da cultura de feijão, há uma transição da primeira e segunda safra, onde havia expectativa de que o feijão carioca pudesse ter uma valorização maior. “Isso não aconteceu. Por outro lado, ocorreu um desestímulo ao plantio do feijão carioca para a colheita na segunda safra, aonde teríamos uma concentração maior de oferta nos meses de março e abril”. Pelo contrário, os produtores dedicaram uma área maior para o plantio do feijão preto, que tem muito mais apelo comercial, a exemplo de outras 20 variedades com possibilidade de comercialização tanto no mercado nacional como no internacional.

 

Março apresenta nova perda no poder de compra do avicultor

Oeste: cooperativas agrofamiliares têm aporte de R$ 5,2 milhões

 

Incentivo é o que não falta

O produtor nacional de feijão tem tido um incentivo considerável do Ibrafe, do Conselho Brasileiro do Feijão, da Câmara Setorial e de outros atores da cadeia produtiva. “Agora, gerar excedentes do feijão carioca é um grande desafio, pois não tem aonde destinar a produção. Não há consumo mundial do feijão carioca, diferentemente de outras variedades”, explica Lüders.

O produtor precisa entender um ponto: não já como provocar o aumento do consumo per capita se não há produção suficiente para isso. O ideal, seria 17 quilos por habitante ao ano. “Mas não entregamos nem 12 quilos per capita/ano”, informa. Outro tabu é como estimular a produção de feijão se é preciso competir com a soja e o milho, hoje com preços muito mais atraentes.

O Instituto Brasileiro do Feijão e dos Pulses é a única entidade que representa e desenvolve os interesses da cadeia produtiva do feijão e dos pulses e, também, reúne os maiores apaixonados pela cultura do feijão no País. (Vandré Dubiela)

 

VEJA TAMBÉM

Mosca-branca causa prejuízo nas áreas de feijão do oeste  

Pesquisador da Embrapa avalia área com nova cultivar de feijão em Cascavel

 

 

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.