Alimentação balanceada potencializa ovinocultura

Compartilhar

 

#souagro | Uma alimentação balanceada e equilibrada faz toda a diferença em uma atividade pouco expressiva no momento, mas que começa a ganhar um maior número de adeptos na região oeste. Um dos incentivadores da ovinocultura é o médico-veterinário André Heitor Costi Neto, proprietário de uma área localizada na divisa dos municípios de Cascavel e Santa Tereza do Oeste. Ele é um dos poucos que ainda aposta na atividade, colocando em prática uma série de alternativas para extrair o melhor desempenho do seu plantel de ovinos.

“Aposto na criação de ovelhas há cerca de seis anos porque é um animal diretamente ligado ao campo e uma atividade com um futuro promissor”, comenta André Neto. Ele reconhece o período complicado provocado pela pandemia do novo coronavírus, envolvendo a comercialização, o elevado custo dos insumos e o longo período de estiagem. “Apesar das adversidades, estamos conseguindo atrair vários produtores interessados na atividade e quem sabe, inicia o sistema de integração na ovinocultura, como forma de promover o desenvolvimento mais rápido da atividade”.

Hoje, a produção de ovelhas é direcionada para um abatedouro dentro do sistema Sisbi (Sistema Brasileiro de Inspeção). A ideia é fornecer a carne de ovelha para todo o País.

Na área dedicada às ovelhas, há vários piquetes, com pastagens diferentes. “Fornecemos uma pastagem com um determinado índice de proteína, intercalando com o feno. Conseguimos ainda fazer uma rotatividade, para obter uma maior lucratividade”.

 

Confira mais detalhes sobre a atividade na entrevista com o criador de ovelhas, André Neto:

A alimentação diferenciada tem um cardápio específico: no começo do dia, os animais se alimentam de feno triturado pela forrageira, azevem e quirera de milho. No fim da tarde, o complemento é com farelos de trigo, soja e aveia, além do azevem e sal mineral proteinado.

O tratamento das ovelhas desde os primeiros dias de vida também é diferenciado. De acordo com dados observados junto ao CEPEA, o quilo do ovino hoje está cotado a R$ 10,68 pago ao produtor.

(Vandré Dubiela/Sirlei Benetti)

 

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.