Propriedade é modelo na criação de bezerros em áreas declivosas

Compartilhar

 

A pecuária de corte no Paraná precisa melhorar seus indicadores de produtividade para se manter como uma atividade lucrativa. Para os pecuaristas terminadores, que engordam os animais para o abate, o maior problema é adquirir bezerros. Calcula-se que no Estado exista uma deficiência de 600 mil animais para a reposição do rebanho. A Secretaria Estadual da Agricultura e do Abastecimento e IDR-Paraná (Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná-Iapar-Emater) desenvolvem o Projeto Estadual Pecuária Moderna que visa dar novos indicativos de produtividade para os pecuaristas. Para suprir a falta de animais de reposição foi criado o Programa de Produção de Bezerros em Áreas Declivosas. A intenção é explorar locais onde não é possível fazer o plantio de grãos. Segundo os técnicos, seria possível criar até dois milhões de matrizes nessas áreas e garantir a criação de 1,4 milhão de bezerros.

Endrigo Antonio de Carvalho, extensionista do IDR-Paraná de Cascavel, informou que as áreas declivosas precisam de alguns cuidados antes de receber os animais. Segundo ele, é necessário investir na recuperação do solo, além de intensificar a produção de pastagens. Desta forma, o pecuarista conseguiria aumentar a lotação de matrizes, gerando bezerros de qualidade voltados à demanda do mercado. Atualmente, três propriedades no estado iniciaram este trabalho junto ao Propbad: em Ampére, Lindoeste e Cascavel.  Neste mês, foram iniciadas as ações numa propriedade em Nova Laranjeiras, numa parceria firmada entre ao IDR-Paraná e a prefeitura, que vai servir como Unidade de Referência para criadores da região.

 

Aumento da lotação
A Fazenda Guerra, de Sergio Luiz Guerra, tem 193 hectares de pastagem perene, 240 matrizes e sete touros. A taxa de lotação é de 1,3 UA (Unidade Animal) por hectare. De acordo com Endrigo de Carvalho, num prazo de três a cinco anos o rebanho deve estar estabilizado em 350 matrizes e 10 touros, com uma lotação de 2,0 UA/ha. “Esse tempo decorre pelo fato de se tratar de um projeto piloto. Vamos começar com 25 hectares e a validação dos resultados irá direcionar a técnica para o restante da área”, explicou o zootecnista.

Para que as áreas declivosas suportem o aumento da lotação de animais, será feita a análise e correção do solo, a recuperação da pastagem, além de um ajuste na adubação de manutenção dessas áreas. O zootecnista do IDR-Paraná informou também que os piquetes serão redimensionados e será feito o controle de ervas competidoras. O produtor ainda será orientado a fazer o melhoramento genético do rebanho, bem como o manejo sanitário e nutricional dos animais.

No futuro, os técnicos e o pecuarista vão discutir a possibilidade do uso de terras mecanizadas para a produção de forragens conservadas e a produção de pastagem no inverno. “Isso nos possibilitaria, num cenário intermediário de clima e mercado, trabalhar com 3,5 UA por hectare. Hoje no Paraná, a lotação média é de 1,4 UA/ha, considerando áreas declivosas ou não”, explicou Carvalho. O trabalho será feito em várias etapas, com visitas mensais e o estabelecimento de metas e desafios a serem cumpridos. Todos os técnicos envolvidos no projeto foram qualificados pelo IDR-Paraná para que possam orientar os pecuaristas interessados em aproveitar áreas declivosas para a produção de bezerros.

Uma parte dos animais criados na Fazenda Guerra será destinada à recria e terminação numa outra propriedade do pecuarista Sergio Luis Guerra. O restante será comercializado com recriadores do estado que buscam bezerros para a reposição e que participam das seis cooperativas de carne de qualidade do estado.

 

Fonte: IDR-Paraná

 

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.