Oeste do Paraná, a capital nacional da tilápia

Compartilhar

 

O Oeste do Paraná responde por 90% das tilápias produzidas no Estado, de acordo com o Anuário da Peixe BR. Hoje, 96,5% dos peixes de cultivo produzidos no Paraná (166 mil toneladas) são tilápia – o que corresponde a um terço da produção nacional. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Estado tem 24,6 mil produtores de tilápia, a maioria com produção voltada a cooperativas, como a C.Vale e a Copacol. O Anuário também atribui o crescimento da piscicultura no Paraná à desburocratização do licenciamento ambiental, já que a atividade se desenvolve no Estado, principalmente, em tanques escavados de pequenas e médias propriedades.

Paralelamente a outras atividades agropecuárias, o produtor rural Valcir Zanini cultiva tilápias há mais de dez anos, em Cascavel, Oeste do Paraná. “No começo, eu criava peixe mais por gosto, para o nosso consumo mesmo”, relembra. Nos últimos anos, com apoio da prefeitura, Emater e Sindicato Rural de Cascavel, os piscicultores da região passaram a se organizar. Em 2018, criaram a Associação dos Aquicultores do Oeste do Paraná (AquiOeste). De lá para cá, a entidade ganhou corpo.

“Hoje, a associação tem 48 produtores de tilápia. Mas temos outros 50 se cadastrando para começar na atividade, esperando o licenciamento e a outorga da água”, diz Zanini, presidente da AquiOeste. “Nós temos um potencial enorme de crescimento. Temos 60 hectares de lâminas d’água aproveitados pela piscicultura. Mas Cascavel tem 600 hectares que ainda podem ser usados na atividade. É uma boa oportunidade, um setor que vem remunerando bem”, acrescenta.

Em Palotina, também na região Oeste, Edmilson Zabott cultiva tilápias há 23 anos. Como um dos pioneiros, acompanhou o desenvolvimento da cadeia produtiva. Hoje, ele produz 280 toneladas por ano. O produtor – que também se dedica à avicultura – fala com orgulho da potência que a região se tornou na piscicultura e das perspectivas para o setor nos próximos anos.

“O grande produtor de peixes de cultivo no Brasil chama-se Oeste do Paraná. Somos a capital. Palotina se destaca pelo volume de lâminas d’água, mas não é só: todos os municípios da região, juntos, permitem esse destaque. Foi essa força conjunta que fez com que a gente estruturasse a cadeia produtiva”, aponta. “Tivemos o primeiro abatedouro de peixes do Brasil. Depois, aumentamos a tecnificação e a produção. Agora, com as cooperativas fomentando o setor produtivo, temos um produto ainda melhor, mais competitivo e em maior volume”, acrescenta.

Além das cooperativas, Zanini destaca a atuação da Emater e do Senar-PR para a consolidação da cadeia produtiva na região. Segundo o presidente da AquiOeste, ambas as entidades levaram conhecimento técnico, por meio de consultorias e de cursos de qualificação oferecidos aos produtores da região. Ele diz que cerca de 150 piscicultores da região já frequentaram capacitações – a mais recente, uma capacitação que abordou novos tratos para tilápias.

“No início, muitas pessoas pensavam que era só escavar um tanque e encher de peixes. Tem que acompanhar diariamente o PH, o oxigênio, os nitritos, fazer alimentação no horário certo. O SENAR-PR e a Emater foram e têm sido fundamentais na profissionalização dos produtores da nossa região”, diz. “Quando passar a pandemia, vamos trazer um curso do SENAR-PR para ensinar as cozinheiras de hotéis, restaurantes e as merendeiras a fazerem novos pratos com peixe. Tudo isso ajuda a movimentar o setor”, aponta.

A piscicultura do Paraná continua sua trajetória de, ano a ano, conquistar resultados que permitem consolidar a sua soberania nacional. Mesmo ante os reflexos causados pela pandemia do novo coronavírus, a atividade cresceu 11,5% no Estado, em 2020, com produção de 172 mil toneladas pescadas. Absoluto como principal produtor de peixes de cultivo no país, o Paraná ainda ampliou sua liderança no ranking: produziu 130% mais que São Paulo, o segundo colocado. De quebra, a organização da cadeia produtiva e a disponibilidade de lâminas d’água em abundância trazem uma perspectiva para lá de positiva. A tendência para os próximos anos é de que a piscicultura paranaense continue crescendo, levando cada vez mais peixe à mesa de consumidores brasileiros e de outros países.

Os dados constam do Anuário Peixe BR 2021, que traz um mapeamento da atividade em todo o país em relação ao ano anterior. Segundo o levantamento, o setor teve um início de 2020 difícil. As vendas despencaram mesmo na Semana Santa, considerada o “Natal” da piscicultura, preocupando os diversos elos da cadeia produtiva. Na segunda metade do ano, no entanto, a atividade decolou. Foi o melhor semestre desde o começo da série histórica (2014). Com a recuperação, a produção brasileira cresceu 5,9%, chegando a 802,8 mil toneladas. Sozinho, o Paraná responde por 21% deste montante, o que atesta a força da atividade no Estado. Além disso, em 2020, pela primeira vez a piscicultura ultrapassou a marca de R$ 1 bilhão gerados em Valor Bruto de Produção (VBP).

“A nossa piscicultura tem se estruturado, com um nível de profissionalização, como referência nacional. Isso é resultado de um esforço integrado dos elos da cadeia, que têm investido e se qualificado e, por outro lado, oferecido um produto competitivo e de qualidade. Temos espaço para crescer”, ressalta o presidente do Sistema FAEP/SENAR-PR, Ágide Meneguette.

 

Fonte: FAEP

 

Foto: Jonathan Campos/AEN

Compartilhe em suas redes sociais:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.