ESPECIAIS

Criação de abelhas sem ferrão tem conquistado produtores rurais; saiba o motivo

Compartilhar

#souagro| As abelhas sem ferrão estão conquistando muitos agricultores, os motivos? A adaptação a diferentes realidades e os resultados positivos. A criação dessas abelhas é conhecida como meliponicultura. Os meliponídeos são dóceis e de fácil manejo, além de ofertarem uma opção de renda aos produtores, contribuem com a polinização de plantas aproveitadas na alimentação humana. A criação racional de abelhas sem ferrão pode diversificar a renda na propriedade, sendo diversos os subprodutos, entre eles, o mel, o própolis, geoprópolis, pólen e cera, sendo possível multiplicar e comercializar colônias.

Segundo a Emater/RS-Ascar, na região de Santa Rosa no Rio Grande do Sul, por exemplo, é comum a presença de espécies como jataí, borá, canudo, iraí e as mirins emerin e negriceps, além de ter relatos de ocorrência natural de manduri. A jataí é uma abelha bastante rústica, com grande capacidade para fazer ninhos e sobreviver em diferentes ambientes, inclusive no ambiente urbano. Ela utiliza os mais variados locais para nidificação, a exemplo de tijolos, caixas de luz e ocos de árvores vivas quando em ambientes mais naturais ou arborizados.

A jataí é uma espécie conhecida por produzir um mel saboroso, suave e bastante procurado em função de suas propriedades terapêuticas, principalmente para infecções das vias aéreas superiores. Além do mel, a jataí produz própolis, cera e pólen de boa qualidade.

As abelhas da espécie borá possuem aspecto semelhante às jataís, porém são um pouco maiores e mais difíceis de ser encontradas. Também nidificam em ocos de árvores vivas, geralmente em altura acima de três metros. Seus ninhos armazenam bastante pólen e seu mel possui sabor peculiar, levemente salgado.

Outra espécie de abelha sem ferrão é a iraí, bastante mansa e de fácil manejo. Os ninhos são encontrados em ocos de árvores, paredes e moirões. Produzem um mel considerado bastante saboroso, no entanto, é produzido em pequena quantidade.

A mirim-guaçú é outra espécie que nidifica em ocos de árvores e sua entrada é feita com própolis escuro, cujo diâmetro geralmente permite a passagem de um indivíduo por vez. Apesar da produção do mel ser em pequena quantidade, é reconhecido pela sua excelente qualidade. Por outro lado, possui grande potencial para a produção de própolis.

As colmeias das abelhas canudo são bastante populosas, sendo que sua nidificação normalmente ocorre também em ocos de árvores. É uma espécie bastante produtiva, chegando cerca de dois quilos de mel por colmeia. Contribui com a polinização de cultivos como canola e girassol.

Preservar as abelhas sem ferrão é também aproveitar seus benefícios. O mel das abelhas sem ferrão pode ser utilizado como adoçante natural, em substituição ao açúcar. Tem alta qualidade nutricional e é rico em energia. Atua como sedativo, cicatrizante, digestivo, laxativo e expectorante.

(Débora Damasceno/Sou Agro com Emater/RS)

 

(Foto: reprodução internet)

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.