Você conhece as técnicas da agricultura conservacionista?

Compartilhar

A maioria dos produtores de grãos tem pouco conhecimento sobre as bases técnicas da agricultura conservacionista, o que exige a necessidade de ampliar a divulgação sobre o tema, assim como a utilização pelos agricultores. A conclusão é apresentada em artigo científico publicado na Revista Brasileira de Ciência do Solo por pesquisadores do Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná — Iapar-Emater (IDR-Paraná) e da Universidade Estadual de Londrina (UEL).

Os pesquisadores entrevistaram 234 agricultores da bacia hidrográfica do Rio Paraná com o objetivo de avaliar se eles conhecem e aplicam três princípios da agricultura conservacionista: plantio direto, manutenção permanente de cobertura vegetal no solo e rotação de culturas com diversificação de espécies. Os agricultores foram entrevistados pessoalmente, respondendo um questionário de 30 perguntas.

Com oito mil quilômetros quadrados, a Bacia do Paraná 3, escolhida para o estudo, estende-se de Guaíra (Noroeste) a Foz do Iguaçu (Sudoeste do Estado). Abriga 24.150 propriedades, distribuídas em 29 municípios — 28 do Paraná e um do Mato Grosso do Sul.

 

A definição do número de produtores para o estudo seguiu parâmetros estatísticos e metodológicos bem estabelecidos na literatura sobre esse tipo de estudo.

RESULTADOS

Apenas 33% dos produtores entrevistados demonstraram conhecimento dos três pilares da agricultura conservacionista. Dentre aqueles que não dominam os conceitos, 29% desconheciam apenas um; 26%, dois; e 12% não conseguiram listar sequer um dos fundamentos.

O plantio direto apareceu como a prática mais conhecida pelos entrevistados, seguida da cobertura do solo e, por último, a rotação de culturas.

A maioria dos entrevistados avaliou como “bom” o manejo de plantio direto na sua propriedade, e considerou como “altamente importantes” os benefícios da agricultura conservacionista, especialmente a mitigação dos riscos de erosão e economia de tempo nas operações agrícolas.

 

No entanto, para metade dos entrevistados a adoção de técnicas conservacionistas não promove redução dos custos de produção, aumento de rendimento ou diminuição de perdas em períodos de estiagem.

A semeadura em nível é adotada por 80% dos agricultores entrevistados, e 97% deles implantaram terraços. No entanto, 41% dos entrevistados fazem pulverização no sentido da encosta.

Em ordem decrescente de importância, os agricultores apontaram como obstáculos a compactação do solo nas cabeceiras, dificuldade no controle de plantas daninhas, manutenção da cobertura do solo e a rotação de culturas. Metade dos agricultores entrevistados considerou muito ou moderadamente difícil adotar a rotação de culturas.

“O Sul do Brasil tem chuvas intensas e o plantio direto, somente, não é suficiente para conter a erosão. É preciso agregar práticas como plantio em nível, terraços e uso de plantas de cobertura”, aponta a pesquisadora Graziela Moraes de Cesare Barbosa.

 

PESQUISA

Esse tipo de estudo permite entender o que os agricultores conhecem, pensam e fazem. São informações imprescindíveis para compreender os desafios e buscar soluções no desenvolvimento e transferência de tecnologias. “Embora trate de uma bacia hidrográfica específica, é possível que as conclusões deste estudo retratem a realidade de grande parte das regiões produtoras de grãos no Paraná”, afirma Tiago Santos Telles, pesquisador da área de socioeconomia do IDR-Paraná.

Participaram da pesquisa que resultou no artigo “Soil management practices adopted by farmers and how they perceive conservation agriculture” Ana Julia Righetto e Elizeu Jonas Didoné, bolsistas do IDR-Paraná, juntamente com o professor Thadeu Rodrigues de Melo, ligado à UEL.

 

(Foto e fonte: AEN)

Compartilhe em suas redes sociais:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.