ESPECIAIS

Índice de preços de alimentos tem queda de 0,8%

Compartilhar

#souagro | O índice de preços dos alimentos teve queda em abril, em comparação com março. O Índice de Preços de Alimentos da FAO registrou média de 158,5 pontos em abril de 2022, o que representa uma queda de 0,8% em relação ao recorde histórico alcançado em março. O índice, que reflete a variação mensal dos preços internacionais da cesta dos alimentos mais comercializados, ficou 29,8% acima do patamar de abril de 2021.

O Índice de Preços de Óleos Vegetais da FAO caiu 5,7% em abril, perdendo quase um terço do aumento registrado em março, uma vez que o racionamento da demanda fez recuar os preços do óleo de palma, girassol e soja. A incerteza sobre a disponibilidade de exportação da Indonésia, o maior exportador mundial de óleo de palma, conteve um declínio ainda maior nos preços internacionais.

 

 

“A ligeira queda do índice é um grande alívio, principalmente para os países de baixa renda com déficit alimentar, embora os preços dos alimentos ainda permaneçam próximos dos picos recentes, refletindo a persistente escassez de oferta nos mercados e representa um desafio para a segurança alimentar da população. pessoas mais vulneráveis em todo o mundo”, disse Máximo Torero Cullen, Economista – Chefe da FAO.

O Índice de Preços de Cereais da FAO caiu 0,7 ponto em abril, puxado por uma queda de 3,0% nos preços mundiais do milho. Os preços internacionais do trigo, que foram fortemente afetados pelo contínuo bloqueio portuário na Ucrânia e preocupações com as condições das safras nos Estados Unidos, mas foram limitados pelo aumento dos embarques da Índia e exportações acima do esperado da Federação Russa, registraram um aumento de 0,2%. Os preços internacionais do arroz subiram 2,3 por cento em relação aos níveis de março, impulsionados pela forte demanda da China e do Oriente Próximo.

 

 

Por sua vez, o Índice de Preços do Açúcar da FAO aumentou 3,3%, impulsionado pelos preços mais altos do etanol e preocupações com o início lento da safra 2022 no Brasil, o maior exportador mundial de açúcar.

O Índice de Preços da Carne da FAO subiu 2,2% em relação ao mês anterior, marcando um novo recorde, com o aumento dos preços de aves, suínos e bovinos. Os preços da carne de aves foram afetados por interrupções nas exportações da Ucrânia e crescentes surtos de gripe aviária no hemisfério norte. Em contrapartida, os preços da carne de ovinos foram, em média, ligeiramente mais baixos.

O Índice de Preços de Laticínios da FAO também subiu 0,9% devido ao persistente aperto da oferta global, uma vez que a produção de leite na Europa Ocidental e Oceania continuou a ficar aquém de seus níveis sazonais. Os preços mundiais da manteiga subiram mais, influenciados por um aumento na demanda associado à atual escassez de óleo de girassol e margarina.

 

(Ageiél Machado com FAO)

 

 

(Foto: pixabay)

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.