Transformação digital impacta agricultura

Compartilhar

O Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) promoveu a live “Como a transformação digital está impactando na agricultura”. O encontro foi moderado pelo assessor técnico do Senar, Rafael Diego Costa, e teve como debatedores o engenheiro agrônomo e professor de Agronomia da Universidade Federal de Viçosa (UFV), Aluízio Borém, e o engenheiro agrícola e ambiental e professor da UFV, Sárvio Valente.

Os participantes analisaram a difusão de novas tecnologias e os impactos gerados no setor agropecuário, como aumento da produtividade, melhoria da gestão e redução no uso de insumos. Eles conversaram sobre temas como Big Data, Internet das Coisas (IOT), business intelligence, realidade virtual e revolução 4.0, entre outros.

“Muitas pessoas ainda acreditam que são conceitos distantes, mas a transformação digital está acontecendo nesse exato momento. O uso de tecnologias já é uma realidade no campo e vem contribuindo para o agro brasileiro ser destaque no mundo”, afirmou Rafael Costa.

 

Borém abordou o avanço da agricultura digital no Brasil, como a automação pode ajudar o produtor rural a ser mais eficiente e o papel dos robôs nesse processo, além das aplicações da IOT no campo. Outros pontos debatidos foram a necessidade de mão de obra qualificada e como ficarão os empregos com a automação das máquinas agrícolas.

“A agricultura digital vai trazer muito mais benefícios do que hoje nós conseguimos ver. Daqui a alguns anos estaremos percebendo, de forma clara, todos esses benefícios, quer sejam econômicos, ambientais e para o consumidor, que terá alimentos com preços menores e mais saudáveis no prato”, disse.

 

Valente falou sobre as diferenças entre agricultura de precisão e digital. O engenheiro agrícola e ambiental também analisou o crescimento das startups do campo, o uso da inteligência artificial para reduzir os custos com insumos e o conceito de machine learning, ou seja, o processamento de computadores com informação coletada no campo.

“A ideia é utilizarmos, cada vez mais, dados das máquinas, sensores de clima, imagens de satélites e drones para chegarmos a um mapa de variabilidade da lucratividade, com aumento da rentabilidade e do controle dos custos na atividade”, declarou ele.

 

(Fonte e foto: CNA)

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.