ESPECIAIS

Seca: prefeitura de Maripá inicia reconhecimento de situação de emergência

Compartilhar

#souagro| Os reflexos da seca atingem muitos municípios paranaenses, as perdas de produção já são consideradas bilionárias. No oeste do estado a situação está muito preocupante para agricultura. A cidade de Maripá divulgou um comunicado oficial afirmando que iniciou os procedimentos para reconhecer situação de emergência, de acordo com a assessoria, o levantamento de perdas está sendo elaborado para que o pedido do decreto seja efetivado.

“A Administração Pública do Município de Maripá informa a toda população maripaense, em especial aos produtores rurais, que já iniciou os procedimentos junto aos órgãos competentes para o reconhecimento da Situação de Emergência no Município em decorrência da prolongada estiagem. O Decreto é um documento importante que dá suporte aos produtores na renegociação de dívidas e do seguro agrícola em razão das perdas causadas pela falta de chuva. Assim que os protocolos forem cumpridos, haverá a emissão e publicação do Decreto Municipal”, diz o comunicado.

 

Situação de emergência

Lembrando que o governo do Paraná decretou situação de emergência no fim de 2021 por conta da seca no estado, o documento é válido por 180 dias: “A intensa estiagem que atinge o território paranaense desde a metade do ano de 2019, intensificada no último trimestre de 2021; Que, em decorrência do desastre, estão caracterizados danos humanos, ambientais e consequentes prejuízos econômicos públicos e privados de grande vulto, impactando diretamente a população, especialmente nas áreas rurais, com desabastecimento de água inclusive para dessedentação de animais; Que a Coordenação Estadual de Defesa Civil, relatando a ocorrência desse desastre, manifestou-se favorável.”

 

Com a publicação do documento “Fica declarada SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA em todo o território do Estado do Paraná, conforme parecer da Coordenadoria Estadual de Defesa Civil, em virtude do desastre classificado e codificado como  estiagem” além disso, fica autorizada a mobilização de todos os órgãos estaduais para atuarem sob a coordenação da Coordenadoria Estadual de Defesa Civil, nas ações de resposta ao desastre, reabilitação do cenário e reconstrução e também ficam dispensados de licitação os contratos de aquisição de bens necessários às atividades de resposta ao desastre, de prestação de serviços e de obras relacionadas com a reabilitação dos cenários dos desastres, desde que possam ser concluídas no prazo máximo de cento e oitenta dias consecutivos e ininterruptos, contados a partir da caracterização do desastre, vedada a prorrogação dos contratos.

PERDAS

De acordo com o secretário estadual da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara, as perdas para o agro são muito significativas e foram avaliadas em R$ 16,84 bilhões, vamos aos dados:

Soja: perdas de 7.957.000 t ou 37,8% da safra esperada- $14,35 bi

Milho: perdas de 1.784.000 ou 42,1% da safra esperada- $1,59 bi

Feijão: perdas de 49.654 t ou 18%- $193,7 milhões

Silagem: perdas de 2.380.000 t e $ 190, 46 milhões

Leite: redução de pelo menos 197,6 milhões de litros ou $407 milhões

Além disso, há perdas também na produção de batata, tabaco, laranja, pastagens e hortaliças.

 

(Débora Damasceno/ Sou Agro)

 

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.