SECA: perdas na área da Coopavel somam R$ 6 bi

Compartilhar

 

Produtores rurais dos 23 municípios da área de abrangência da Coopavel, no Oeste e Sudoeste do Estado, atualizam os dados constantemente e os prejuízos com a seca não param de aumentar. A informação mais recente dá conta que a quebra das culturas de soja e milho chega aos 60% e as perdas financeiras alcançam os R$ 6 bilhões.

Os danos são severos e já somam a R$ 5 bilhões na soja e a R$ 1 bilhão no milho. Em vez de 65 sacas por hectare, os sojicultores estão alcançando média de 25 e no milho previa-se colher 180, mas a média está na casa de 80 sacas. A falta de chuva, principalmente em dezembro, é a maior responsável pelo cenário de quebra no campo, que além do Oeste atinge outras regiões do Paraná, bem como Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul.

Os prejuízos na área de atuação da Coopavel, na casa dos R$ 6 bilhões, são referentes somente à comercialização, sem calcular a qualidade do grão e os impactos em toda a cadeia produtiva. Os valores obtidos pelos produtores rurais mal cobrirão os custos dos insumos. “O cenário é de dificuldades, mas a expectativa agora é que, além do retorno das chuvas, o governo federal encontre, em parceria com entidades e produtores rurais, caminhos para amenizar a situação”, observa o presidente da Coopavel, Dilvo Grolli.

Em dezembro de 2020, o volume de chuvas registrado em Cascavel, onde está a sede da Coopavel, foi de 235 milímetros, e em dezembro passado a precipitação foi de apenas 3%. E esse quadro foi semelhante em todo Oeste e Sudoeste do Estado. A pouca quantidade de água ainda veio associada à falta de uniformidade, temperaturas excessivas e sol escaldante. Em muitos dias do mês de dezembro, as temperaturas bateram os 30 graus com sensação térmica na casa dos 40.

 

 

A volta das chuvas é determinante para, pelo menos, estabilizar as perdas do que ainda está no campo, e criar condições para o próximo plantio. A expectativa é que o Paraná consiga uma boa segunda safra de milho, fazendo com que o Estado colha o suficiente para suprir as suas necessidades e para que possa atender as atividades pecuárias das cadeias das proteínas de frango e suínos, destaca Dilvo Grolli.

(Comunicação Coopavel)

Compartilhe em suas redes sociais:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.