Falta de chuva afeta safra de uva

Compartilhar

Mais uma vez, o fenômeno La Niña esteve presente na primavera e no verão e segue influenciando a safra da uva na Serra Gaúcha. Com chuvas abaixo da média e a ocorrência de altas temperaturas durante o dia, mas com noites amenas. Em relação à falta de chuvas, os especialistas destacam que, em função da grande diferença entre as propriedades, os tipos de solo e as condições de cada vinhedo, a qualidade enológica da uva nessa safra também poderá ser variada.

É o que aponta a edição de janeiro do Boletim Agrometeorológico da Serra Gaúcha , produzido por pesquisadores da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr) e da Embrapa Uva e Vinho.

 

Segundo a pesquisadora da Seapdr Amanda Junges, os valores de precipitação pluvial (chuva) em novembro e dezembro foram muito abaixo das médias históricas. “Em novembro, em Veranópolis, choveu 61 mm e, em Bento Gonçalves, apenas 38 mm, o que correspondeu, respectivamente, a 44% e 27% das médias históricas. Em dezembro, novamente os valores foram baixos, com 56 mm em Veranópolis e 31 mm em Bento Gonçalves (41% e 21,5% das médias)”, destaca Amanda.

Além de descrição detalhada das condições meteorológicas ocorridas no trimestre outubro-novembro-dezembro, essa edição do Boletim Agrometeorológico, apresenta um resumo dos dados registrados em 2021 pelas estações meteorológicas de Veranópolis (Cefruti/DDPA/Seapdr) e de Bento Gonçalves (Embrapa Uva e Vinho/Inmet).

 

O pesquisador da Embrapa Uva e Vinho Henrique Pessoa dos Santos reforça a importância de produtores e técnicos analisarem os vinhedos prejudicados pela falta de chuvas e realizarem ações que garantam maior disponibilidade hídrica às videiras, tais como a manutenção da cobertura do solo, a redução da carga de frutas e da superfície foliar e o investimento em sistemas de irrigação. “Cada parreiral é único em função do solo, da profundidade das raízes e das condições da planta. É importante não apenas garantir essa safra, mas a sobrevivência e a sanidade da parreira”, destaca.

No aspecto fitossanitário, em função do prognóstico climático dos próximos meses indicar chuvas próximas à média em janeiro, o pesquisador Lucas Garrido recomenda a aplicação de produtos à base de cobre para proteção das brotações da videira, que são facilmente infectadas pelo agente causal do míldio. Além dessa doença, ele recomenda que o produtor deve atentar também para os tratamentos preventivos para o controle das podridões do cacho (Botrytis e Glomerella), utilizando fungicidas registrados ou mesmo produtos à base de Bacillus. “Os produtores também devem considerar práticas como desponte e poda verde para o controle mais efetivo das doenças e melhor cobertura pelo produto utilizado¨, orienta Garrido.

 

(FONTE: Embrapa)

 

Compartilhe em suas redes sociais:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.