Com perda da soja, agricultores antecipam plantio do milho safrinha

Compartilhar

#souagro|Os agricultores do oeste do Paraná começaram a plantar a milho. Com a perda significativa da colheita de soja, tem produtor que já fez a dessecação e agora está apostando na próxima safra, um plantio bem antecipado.

VEJA O VÍDEO:

 

O produtor que optou pela antecipação do plantio do milho, tem propriedade em Palotina/PR, mas como ele não conseguiu continuar o manejo para colher a soja e não tinha o que colher, o seguro rural liberou para que ele pudesse roçar ou dessecar a lavoura. Ele já fez uma dessecação e iniciou o plantio de milho para aumento de renda, e também precisa da silagem para alimentar as vacas de leite, aproveitando a umidade em função da chuva de 45 milímetros desta semana.

A torcida é para que a previsão do tempo possa favorecer e as chuvas venham nesse período de manejo da cultura de milho safrinha.

 

RISCOS

Adiantar o plantio é um grande risco para o agricultor, além do clima que não tem colabora, há também as pragas que podem atacar o plantio, mas para diminuir o risco de que isso aconteça, a escolha do herbicida deve ser baseada nas plantas daninhas predominantes na área. Só que mesmo com essas possibilidades, o produtor afirma que precisa arriscar neste momento de incertezas para tentar recuperar o que foi perdido, por isso a escolha de começar a plantar antes do prazo.

O presidente do Sindicato Rural Patronal de Palotina e presidente da Comissão de Aquicultura da Faep, Edmilson Zabotti afirma que a situação é muito crítica e que a comitiva do Ministério da Agricultura que está visitando o estado para levantamento das perdas recebeu os dados da região: “Discutir os números de perdas e as consequências que isso vai trazer para a cadeia produtiva em todas as áreas, né? Hoje a soja já bate na casa dos 90% de perda com possibilidade de aumentar, o milho com perda de 100% o que foi feito de silagem é de péssima qualidade.”

 

O prejuízo estimado hoje na produção de leite e grãos é de R$ 600 milhões somente em Palotina. Neste relatório não foi feito levantamento das perdas na produção de frango, peixe nem suíno e também não há estimativa de custos com energia elétrica, fator que encareceu muito a produção. Por isso Zabotti também diz que foram feitas reivindicações nesse sentido, principalmente para energia elétrica e alimentação dos animais, já que a crise hídrica afeta diretamente esses setores: “Vamos discutir políticas que o governo pode implementar, uma das nossas reivindicações das cadeias produtivas de proteína animal é que o Governo Federal crie políticas de financiamento a custo extremamente baixo de juros para aquisição de alimento para o gado leiteiro. Esse é um dos grandes problemas nosso, comida que nós vamos ter que buscar em outras regiões pra atender essa nossa demanda. Também nessa cadeia, atendendo também a cadeiado leite, do peixe, do suíno e do frango é o programa da Tarifa Rural Noturna que o Governo do Estado retome a política que nós tínhamos lá atrás onde das 21h30 às 6h da manhã do outro dia nós tínhamos um desconto de 60% da tarifa da energia.”

Mas para a área de grãos também há reivindicações: “Nós estamos buscando aí as renegociações das dívidas mais custeio pra continuar plantando e também renegociação dos nossos compromissos com contratos de soja e milho que nós temos com as as integradoras, com as cerealistas, enfim, com quem tem sido feito o contrato de culturas de soja e milho pra entrega futura”, finaliza Zabotti.

 

(Débora Damasceno/ Sou Agro)

Compartilhe em suas redes sociais:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.