O que esperar da @ do boi para o 2º semestre

Compartilhar

 

#souagro | O mês de julho foi de estabilidade para o comércio da carne de boi. A avaliação é do presidente da Padrão Beef Cooperativa Agroindustrial, pecuarista Lindonez Rizzotto. A justificativa para o momento de equilíbrio é por conta da redução de abates por parte dos grandes frigoríficos, alongando suas escalas e consequentemente, favorecendo os pequenos frigoríficos e de certa forma o mercado consumidor. “Tivemos uma oferta razoável de bovinos para o abate”, comenta Rizzotto.

Confira a entrevista com o pecuarista Lindonez Rizzotto, da Padrão Beef Cooperativa:

Entretanto, o pecuarista chama a atenção para um dado importante e atualizado. “Tivemos seis meses de seca bastante severa e agora em julho, geadas bem fortes no sul do Brasil e no sudeste do País. “Isso vai refletir lá na frente, porque o recriador será obrigado a retardar a entrada dos animais no confinamento para acabamento, em virtude da escassez da matéria-prima usada na alimentação dos plantéis”, explica Lindonez Rizzotto.

Na segunda quinzena de outubro, novembro e talvez em dezembro, há possibilidade de ocorrer pouca oferta e por conta disso, um aumento considerável da arroba do boi. Hoje, a cotação atual, com base em números obtidos junto ao Deral (Departamento de Economia Rural), ligado à Seab (Secretaria Estadual de Agricultura), a arroba do boi na praça de Cascavel está cotada a R$ 305 e nas praças de Apucarana e Londrina, R$ 310.

(Vandré Dubiela/Sou Agro)

 

Foto: AEN

 

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.